Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Governo da Madeira aguarda indicações da agência europeia sobre 4.ª dose da vacina Covid

Governante regional diz que reforço "está indicado para aqueles que estão imuno-comprometidos, para os doentes oncológicos, a partir dos 18 anos, para os hemodialisados e transplantados".
Lusa 16 de Janeiro de 2022 às 21:56
Vacina contra a Covid-19
Vacina contra a Covid-19 FOTO: Reuters
O governo madeirense aguarda indicações da Agência Europeia do Medicamento sobre a administração da quarta dose da vacina contra a covid-19, e está a elaborar uma nova estratégia de combate à doença, com medidas menos restritivas, anunciou hoje.

"Temos ainda a quarta dose, que Israel já começou e aguardamos as recomendações da Agência Europeia do Medicamento [EMA, na sigla em inglês]", disse o secretário da Saúde e Proteção Civil da Madeira, na conferência de imprensa destinada a fazer o ponto da situação epidemiológica na região.

O governante regional salientou que este reforço "está indicado para aqueles que estão imuno-comprometidos, para os doentes oncológicos, a partir dos 18 anos, para os hemodialisados e transplantados".

Apesar da disseminação da variante Ómicron, os seus efeitos são menos graves e não representou um aumento de hospitalizados na unidade de Cuidados Intensivos, o que leva o Governo da Madeira a delinear "uma nova estratégia da abordagem à covid-19, que está a ser trabalhada neste momento e será anunciada pelo presidente do Governo Regional", avançou o responsável.

Pedro Ramos complementou que esta estratégia vai pôr em prática "medidas menos restritivas" e a testagem massiva da população "pode deixar de existir", passando a SARS-CoV-2 a ser "tratada como todas as doenças infecciosas".

O secretário também apontou que vários países estão a tornar a vacinação obrigatória, mas considerou que tal não se justifica quando a taxa de vacinação é eficaz (acima dos 85% da população inoculada).

No seu entender, "a vacinação não é obrigatória para outras doenças", entre as quais o sarampo, pelo que a covid-19 "não deve ter uma abordagem diferente".

Na opinião do governante insular, a" expansão repentina desta variante, a Ómicron, vai fazer com que muitos só completem o seu esquema de vacinação em junho, julho - daqui a cinco ou seis meses -, o que significa estarem todos a atrasar o controlo da pandemia".

Pedro Ramos salientou que as crianças entre os cinco e os 11 anos "continuam a ser vacinadas, agora a um ritmo mais aceitável", informando que já foram vacinadas 4.000 e 857 têm vacinação completa.

"E esperamos concluir este processo com a maior brevidade possível", declarou, insistindo que "foi perdida uma excelente oportunidade" de proteger esta faixa etária e que "os benefícios superam largamente os riscos".

A entrada em funcionamento da nova aplicação foi a "novidade" que marcou durante a semana o combate da covid-19 e, apesar dos constrangimentos verificados, "o sistema está cada vez mais operacional e servirá de base para a nova abordagem da pandemia", apontou.

Em termos de números, a Madeira regista 43.885 casos confirmados da doença, 30.547 recuperados, 13 mil ativos, 146 óbitos, 84 hospitalizados, dois dos quais nos cuidados intensivos.

Também 90% da população residente já iniciou o processo de vacinação, 87% tem a inoculação completa, e já foi administrado o reforço a 57 mil pessoas. Em dois meses, foram realizados aproximadamente 1,6 milhões de testes antigénio, referiu.

Questionado sobre a situação dos 41 marinheiros da corveta António Enes, da Marinha Portuguesa, que está na ilha do Porto Santo, e testaram positivo, acrescentou que as autoridades de saúde estão a acompanhar a situação.

"À medida que foram aumentando os casos positivos, foram transferidos para as unidades hoteleiras", apontou, recordando que o período de isolamento é de cinco dias, após os quais serão efetuados os testes antigénio.

Ver comentários