Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Hospital de Gaia no limite alarma médicos

Bastonário expõe “condições indignas”. Urologia tem um casa de banho para 36 doentes.
Miguel Balança 9 de Julho de 2019 às 09:28
Hospital de Gaia
Médicos
Hospital de Gaia
Médicos
Hospital de Gaia
Médicos
No serviço de urologia de do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) há uma casa de banho para 36 doentes e a realização de uma laringoscopia - exame que permite ao médico observar as vias aéreas superiores - é interdita a doentes em maca porque o serviço tem portas exíguas, que não permitem o acesso.

A denúncia, baseada no relato de vários profissionais do centro hospitalar, foi ontem transmitida ao bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, no decorrer de uma visita ao CHVNG/E.

"Falta privacidade e dignidade para dar às pessoas. Em alguns serviços não é possível colocar uma maca para deitar os pacientes", relata Miguel Guimarães, manifestando "preocupação com as condições indignas" a que são expostos doentes e trabalhadores do CHVNG/E.

As consultas decorrem em gabinetes pequenos, antiquados e pouco iluminados, e quase uma dezena de camas permanece "fechada" por falta de assistentes operacionais e pessoal de enfermagem.

"Continuamos com três problemas bicudos: falta de gente, médicos, enfermeiros e assistentes, material obsoleto que tem de ser substituído, e isto num hospital que está subfinanciado, e há máquinas estragadas que não foram substituídas", confirma o diretor clínico do CHVNG/E, José Pedro Moreira da Silva.

Doentes só comem bolachas, sopa e leite
Carlos Cortes, da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, denunciou a "realidade desumana" dos doentes de psiquiatria do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, devido à falta de vagas.

"Passam dias a fio com dificuldade em satisfazer as necessidades básicas de higiene e alimentação. Apenas comem bolachas, sopa e leite ou sumos ". A administração do CHUC refere que está a melhorar os tempos de internamento.

Exigidos mais nutricionistas no SNS
A bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, defendeu ontem a necessidade de realizar um levantamento do total de serviços de nutrição criados no SNS, medida definida há um ano pelo Governo.

"Só com mais nutricionistas no SNS se aumenta a eficácia", afirma.

PORMENORES 
104
milhões de euros foi o valor gasto pelo Estado, no ano passado, junto de empresas prestadoras de serviços, de acordo com os números avançados ontem pelo Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães.

Centro sem administração
José Pedro Moreira da Silva, diretor clínico, lidera provisoriamente o CHVNG/E. O anterior presidente do conselho de administração, António Dias Alves, saiu a 1 de abril, depois de 52 diretores clínicos terem anunciado a demissão.
Ver comentários