Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus

Medida visa "evitar admissões desnecessárias nos serviços de urgência".
Sérgio A. Vitorino 25 de Março de 2020 às 19:24
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
Hospital militar do Porto recebe 40 idosos de lares com coronavírus
O Hospital das Forças Armadas-Polo do Porto recebeu, nos últimos dois dias, 40 idosos que eram utentes de dois lares em Vila Nova de Famalicão e Vila Real. Estão todos internados e a maioria encontra-se infetada com Covid-19.

Os primeiros 29 idosos, de um lar em Cavalões, Vila Nova de Famalicão, chegaram ao Hospital das Forças Armadas (HFAR-Porto) partir da meia- noite de segunda-feira, em ambulâncias e um autocarro.

Nesse lar estavam 32 idosos ao cuidado de apenas três pessoas, após oito funcionários terem dado positivo a Covid-19 e os restantes entrado em quarentena.

Já o segundo grupo de idosos, 11 no total, do lar Nossa Senhora das Dores, em Vila Real, chegou na manhã desta quarta-feira ao HFAR - Porto, transportado em ambulâncias dos bombeiros. Todos acusaram positivo ao Covid-19 após testes realizados antes do transporte para o hospital.

Os 40 idosos no HFAR-Porto estão em enfermarias de isolamento, acompanhados por médicos e enfermeiros das forças armadas, devidamente equipados, como demonstra uma fotografia divulgada pelo Estado-Maior-General das Forças Armadas. O apoio militar surge na sequência de um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.
 
'Drive thru' militar no Lumiar
Já o Centro de Epidemiologia e Intervenção Preventiva do Hospital das Forças Armadas de Lisboa implementou um sistema de colheitas rápidas para testes ao Covid-19, em regime de ambulatório.

Militares no ativo e civis, até aos 49 anos, com sintomatologia mas "sem fatores de risco clínico de gravidade", são para ali encaminhados pela linha de apoio criada pelo EMGFA. Vão pelos próprios meios, é realizada a colheita e voltam a casa, onde serão seguidos à distância.

A medida visa "evitar admissões desnecessárias nos serviços de urgência" e diminuir a sobrecarga dos profissionais de saúde. Desde dia 18 já foram realizados 62 testes no 'drive trhu' militar do Lumiar, em Lisboa.
Ver comentários