Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

“Lares têm de mudar”: União das Misericórdias contra a Ordem dos Médicos

Manuel Lemos diz que lares portugueses têm um problema estrutural.
Ana Maria Ribeiro 9 de Agosto de 2020 às 08:33
Surto em Lar de Reguengos de Monsaraz provocou 18 mortes
Surto em Lar de Reguengos de Monsaraz provocou 18 mortes FOTO: Nuno Veiga
O presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos, diz que o problema dos lares portugueses não é terem falta de monitorização por parte da Direção-Geral da Saúde (DGS), mas sim um problema estrutural. Segundo aquele responsável, é preciso pensar no tipo de lares que queremos para o futuro.

“Percebemos que é necessária uma mudança olhando para o perfil das pessoas que estão em lares, e sobretudo porque o SNS não tem acompanhado como devia, como está no pacto de cooperação, os idosos”, disse, em entrevista. “É preciso percebermos: num lar do futuro, não só a construção e a organização do lar têm de ser diferentes como os recursos humanos também têm de ser diferentes.”

Manuel Lemos contrariava assim o bastonário da Ordem dos Médicos, que recentemente defendeu que a DGS deve acompanhar “mais de perto” situações como a do Lar de Reguengos de Monsaraz, onde 18 pessoas morreram vítimas de Covid-19. “Nesta altura de pandemia, a DGS deveria ter mais tentáculos, mais pessoas que permitissem atuar mais longe”, afirmou Miguel Guimarães a propósito da situação.

PORMENORES
DGS descarta culpas
A Direção-Geral da Saúde (DGS) considera que são as autoridade de saúde locais e regionais que devem vigiar os lares. A afirmação surge após serem conhecidas as falhas no lar em Reguengos de Monsaraz.

Poucos funcionários
A coordenadora da Rede de Cuidados Continuados lembra que há lares com falta de funcionários e instalações que dificultam o controlo da Covid-19, salientando o trabalho feito nos últimos meses. Neste momento há 76 estruturas residenciais com doentes infetados.

Ver comentários