Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Liga Contra a SIDA pede "soluções" para doentes com outras patologias perante a pandemia da Covid-19

"Portugal não pode fechar. Não podemos neste momento não ter respostas para as pessoas que vivem com o VIH", defende Maria Eugénia Saraiva.
Lusa 24 de Outubro de 2020 às 08:09
Maria Eugénia Saraiva
Maria Eugénia Saraiva FOTO: DR
A presidente da Liga Portuguesa Contra a SIDA (LPCS), Maria Eugénia Saraiva, alerta o Ministério da Saúde para não deixar que a pandemia de Covid-19 leve a uma nova supressão da assistência aos doentes com outras patologias.

"Portugal não pode fechar. Não podemos neste momento não ter respostas para as outras doenças e, neste caso, para as pessoas que vivem com o VIH [vírus da imunodeficiência humana]. Temos de ter soluções para as pessoas que vivem com outras infeções e temos de nos organizar com as pessoas que estão no terreno, a sociedade civil e os 'pensadores'. Mais do que os custos, são os ganhos de saúde que importam", afirma, em entrevista à Lusa, no dia em que a instituição cumpre 30 anos.

Para Maria Eugénia Saraiva, a imposição de medidas de cariz mais autoritário ou repressivo pelo Governo para o controlo da pandemia pode mesmo acabar por ter um efeito inverso àquilo que é pretendido, apelando à defesa de uma 'vacina da tolerância' e a um "diálogo efetivo" e com "objetivos mensuráveis" entre os diferentes intervenientes.

"É importante alertar que o proibicionismo e o autoritarismo face ao que estamos a viver não é o caminho para muitas destas pessoas. A resposta, muitas vezes, é contrária àquilo que nós pensamos que poderá ser o caminho. Cada vez mais, temos de estar ligados para percebermos como é que poderemos ultrapassar todos estes obstáculos e que não nos parece que terá um termo tão rápido quanto seria desejável", explica a psicóloga clínica e presidente da organização desde 2006.

A chegada da pandemia em Portugal em março impôs "reajustamentos" à LPCS, que nunca parou a atividade. Aliás, Maria Eugénia Saraiva garante que a organização se mostrou "bastante ativa" na apresentação de "respostas sociais", com o levantamento de medicamentos desde as farmácias comunitárias ou a realização de compras de bens essenciais de supermercado para apoiar utentes.

"Com o adiamento de consultas ou de realização de análises, a LPCS teve de alargar o horário da Linha SOS Vida. Houve também um aumento das necessidades de apoio social e psicológico; as pessoas responderam ao isolamento físico e esqueceram-se de que o isolamento social é diferente. As imensas chamadas que surgiram com dúvidas em relação ao VIH e à covid-19 serviram, muitas vezes, apenas para falar com a psicóloga e para desabafar", acrescenta.

Sem deixar de traçar "um paralelismo" entre o VIH de há 30 anos e a atual pandemia de covid-19, a líder da LPCS defende que o papel da organização passa por "responder dentro das suas hipóteses" a todas as pessoas, nomeadamente aos mais "vulneráveis e fragilizados".

Ato contínuo, Maria Eugénia Saraiva alerta o ministério da Saúde para o risco de negligenciar a assistência a outros doentes e para uma degradação generalizada da saúde mental.

"O VIH é também uma preocupação que merece atenção, independentemente da covid-19. Temos feito acompanhamento diário de todos os utentes que são da LPCS, mesmo aqueles que surgiram de novo ou que nunca a tinham contactado. E reatámos rastreios, que são importantes", notou, relevando também o aumento nas "necessidades de apoio social e psicológico" e a tentativa de "manter as pessoas em tratamento e com acesso a medicação".

"Muitas pessoas já perderam os seus empregos e outras vão perder. É uma preocupação, na medida em que estar doente fisicamente é também estar doente mentalmente; nesse sentido, promovemos a prevenção da doença e a promoção da saúde", sentencia.

Portugal contabiliza pelo menos 2.276 mortos associados à covid-19 em 112.440 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários