Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Médicos alertam para o risco do desconfinamento na transmissão do coronavírus entre profissionais de saúde

"Vírus continua presente e os materiais de proteção continuam ausentes", informou o secretário-geral do SIM.
Lusa 2 de Maio de 2020 às 21:19
Enfermeira e 7 médicos infetados com coronavírus correm risco de vida
Enfermeira e 7 médicos infetados com coronavírus correm risco de vida
Enfermeira e 7 médicos infetados com coronavírus correm risco de vida
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alertou este sábado para o risco do desconfinamento na transmissão do vírus entre os profissionais de saúde, revelando que estão infetados pela covid-19 "mais de 550 médicos, 800 enfermeiros e 1.200 assistentes operacionais".

"O vírus continua presente e os materiais de proteção continuam ausentes", afirmou à Lusa o secretário-geral do SIM, Roque da Cunha, reforçando que é "muito escasso" o material de proteção para equipar os profissionais de saúde.

"Mais de 550 médicos, mais de 800 enfermeiros e mais de 1.200 assistentes operacionais e trabalhadores da limpeza estão infetados", informou Roque da Cunha, lamentando que o Ministério da Saúde tenha deixado de dar oficialmente esses dados.

Sobre a falta de informação oficial quanto ao número de trabalhadores infetados em hospitais e centros de saúde, o sindicato considerou que tal representa "insensibilidade perante os profissionais de saúde", acrescentando que, desde o início da pandemia, "a ministra da Saúde tem desvalorizado muito essa matéria".

Com o desconfinamento gradual e o aumento da circulação dos cidadãos, a situação preocupa o sindicado dos médicos, pois é necessário "cuidado extremo" no funcionamento dos equipamentos de saúde, nomeadamente o reforço da proteção individual dos profissionais, defendeu Roque da Cunha.

"Lembramos que são cerca de 30 mil pessoas que estão infetadas e que os materiais de proteção não estão a chegar ao ritmo que deveriam e os profissionais de saúde continuam a ser infetados", reforçou o secretário-geral do SIM, referindo que a situação pode ser "ainda pior" com o desconfinamento.

Portugal contabiliza 1.023 mortos associados à covid-19 em 25.190 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado este sábado.

Relativamente ao dia anterior, há mais 16 mortos (+1,6%) e mais 203 casos de infeção (+0,8%).

Das pessoas infetadas, 855 estão hospitalizadas, das quais 150 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.647 para 1.671.

Portugal termina às 23h59 deste sábado o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e passa para uma situação de calamidade.

Entre outras medidas, o plano do Governo para continuar a combater a covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Ver comentários