Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Metabolismo do ferro estudado para perceber qual a probabilidade de um doente de Covid-19 ficar em estado grave

O projeto vai, nos próximos seis meses, tentar identificar marcadores que correlacionem o metabolismo do ferro com "um melhor ou pior prognóstico" da doença.
Lusa 16 de Junho de 2020 às 16:18
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Coronavírus
Coronavírus xxx
Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) vão tentar identificar, através de amostras de sangue de doentes, marcadores relacionados com o metabolismo do ferro que possam vir a ser usados para classificar a gravidade da covid-19.

"Quando um individuo é infetado por diferentes tipos de agentes infecciosos, sejam vírus, bactérias ou fungos, há uma alteração muito grande da distribuição do ferro no organismo", afirmou hoje, em declarações à Lusa, Maria Salomé Gomes, investigadora do i3S da Universidade do Porto.  

O projeto, desenvolvido no âmbito da 2.ª edição da linha de financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) 'RESEARCH 4 COVID-19', vai por isso, nos próximos seis meses, tentar identificar marcadores que correlacionem o metabolismo do ferro com "um melhor ou pior prognóstico" da covid-19.

"O objetivo é que estes marcadores possam de futuro ser usados para, quando o doente é admitido, já ter ideia da probabilidade que ele tem de vir a ter um desenvolvimento clínico mais grave ou não", explicou a investigadora, adiantando que a distribuição e regulação do ferro durante uma infeção é "bastante importante".

Para perceberem esta correlação, os seis investigadores envolvidos no projeto, intitulado 'Ironing Covid-19 -- Finding in the host iron status the signature to predict the severity of the disease', vão recorrer a soro de doentes infetados do Centro Hospital Universitário de São João, no Porto.

"Estabelecemos como objetivo ter cerca de 100 amostras, 60 de indivíduos infetados e com manifestações da doença, 20 de pessoas que deram positivo, mas que nunca tiveram sintomas e 20 controlos que nunca ficaram infetados", referiu Maria Salomé Gomes, adiantando que além do ferro, vão também estudar outras moléculas que estão envolvidas no processo.

Se, a curto prazo, o objetivo da equipa é encontrar marcadores que possam ser usados como preditores da gravidade da doença, a médio e longo prazo o propósito é perceber os "mecanismos de causa e efeito".

"Gostaríamos de perceber porque é que uma alteração em determinado parâmetro resulta num prognóstico pior e, a partir do momento em que percebermos os mecanismos, podemos pensar em intervenções terapêuticas", concluiu.

Com um financiamento de 30 mil euros, este é um dos 55 projetos apoiado pela 2.ª edição da linha 'RESEARCH 4 COVID-19', que visa responder às necessidades do Serviço Nacional de Saúde e que na sua 1.ª edição apoiou 66 projetos.  

Além do i3S, o projeto envolve também o Centro Hospitalar Universitário de São João, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP).

Portugal contabiliza pelo menos 1.522 mortos associados à covid-19 em 37.336 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

 

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários