Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Negócio da alheira cai com confinamento em Mirandela

Paulo Machado apostou no setor pouco antes da pandemia. “Agora não há movimento, mas as despesas correm todos os dias.”
Tânia Rei 23 de Novembro de 2020 às 08:48
Produto muito apreciado, a alheira já não rende o que rendia
Produto muito apreciado, a alheira já não rende o que rendia FOTO: direitos reservados
A fileira da alheira, ex-líbris de Mirandela, vive dias difíceis. “Estamos com quebras nas vendas na ordem dos 90%. Temos compradores locais, que são essencialmente da restauração. Se eles não trabalham, nós também não”, explica Humberto Taveira, que tem loja aberta e fábrica de produção. “Temos 20 famílias a trabalhar para nós. Já estamos a reduzir pessoal”, lamenta.

Paulo Machado apostou no setor pouco antes da pandemia. “Agora não há movimento, mas as despesas correm todos os dias.” Ana Carmo trabalha numa loja de produtos regionais. “O que vemos mais são as enchentes em hipermercados e a não valorizarem tanto o comércio local”, considera. A alheira de Mirandela movimenta mais de 30 milhões por ano e emprega 700 pessoas.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Mirandela Humberto Taveira economia negócios e finanças trabalho economia (geral)
Ver comentários