Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Preservar é a(mar): 10 coisas que pode fazer pelo oceano

Em 2050 vai existir mais plástico do que peixes no mar. Saiba o que pode fazer para reverter a situação.
Liliana Silva e Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 27 de Junho de 2022 às 14:53
Em 2050 vai existir mais plástico do que peixes no mar. Saiba o que pode fazer para reverter a situação.
Por Liliana Silva e Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 27 de Junho de 2022 às 14:53
Garrafas de água, sacos de plástico e redes de pesca são exemplos de objetos comuns que podemos encontrar abandonados nas praias mas, infelizmente, o problema não termina em terra. Os oceanos preenchem 70% do nosso planeta e todos os anos são despejadas milhões de toneladas de lixo nas águas marítimas, ameaçando a fauna marinha e a própria humanidade.

A "saúde" do nosso mar exige que comecemos a fazer mudanças nos nossos comportamentos e o CM vai ajudá-lo com 10 dicas simples.
#1 Diga não ao plástico

Sabia que todos os anos 11 milhões de toneladas de resíduos plásticos vão parar ao mar? Este número é apontado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que alerta ainda para uma realidade mais assustadora: em 2050 poderá existir mais plástico do que peixes no mar.

Para reverter a situação é necessário reduzir drasticamente o consumo de produtos com plástico, uma vez que só uma quantidade muito pequena dos itens com este material irá ser reciclada. Pode começar com algo simples: reutilize os seus sacos de compras, utilize talheres de madeira e palhinhas de metal. Contas feitas, estará a ajudar o ambiente e a reduzir os gastos na sua carteira.
#2 Reduza a pegada de carbono

Todos os dias um quarto do dióxido de carbono produzido pelo ser humano é absorvido pelo mar e vai contribuir para um fenómeno chamado acidificação oceânica, que danifica as estruturas calcárias (como conchas e esqueletos).


Os estudos referem que já não é possível reverter a situação que tem centenas de anos, mas é possível limitar os seus impactos através da redução da pegada de carbono. Simples mudanças, como ir de bicicleta ou de transportes públicos para o trabalho, têm um impacto tremendo.

Se não dispensa da comodidade do seu carro pode sempre apostar na compra de um carro elétrico, uma tendência crescente perante os portugueses (e o resto do mundo).

#3 Apoie a pesca sustentável

Cada vez mais pessoas estão a manifestar-se contra métodos de pesca prejudiciais, como a pesca industrial, destrutiva em áreas marinhas protegidas, e a pesca de arrasto fundo. No seu dia-a-dia verifique se está a consumir pescado com o selo Marine Stewardship Council (MSC), o "único programa de certificação de pescas de peixe selvagem e etiquetagem ecológica".

O Jornal de Negócios examinou se a pesca portuguesa pode ser considerada sustentável e a MSC afirmou que ainda não existe nenhuma em Portugal com esta etiqueta.

No entanto não desanime, já existem 200 produtos à venda com o selo e 58 empresas certificadas no País!
#4 Participe nas limpezas das praias

Usar os nossos tempos livres de uma forma consciente e sustentável é benéfico para todos. Para os fãs de passeios na praia será uma boa sugestão aliar este momento à recolha de lixo. A vista é agradável e o ambiente agradece. Se preferir apenas desfrutar do momento certifique-se que não deixa qualquer tipo de resíduo no local, como as beatas de cigarros, e que não está a interferir com a vida selvagem.

Também poderá optar por participar nesta recolha de lixo através da moda. Leu bem: já existem marcas de roupa que reciclam o lixo encontrado nestas zonas. A Máxima conversou com a marca ECOALF, que tem o mar em mente ao produzir os seus artigos.
#5 Escolha férias amigas do ambiente

Temos um desafio para si: ao marcar as próximas férias pense se o destino selecionado respeita os recursos oceânicos. O CM fez recentemente uma infografia com a lista das praias menos poluentes de Portugal. Consulte aqui as mais de 50 opções que percorrem de norte a sul do País.

Vai estar a apoiar simultaneamente o turismo português e a "mãe natureza". Se preferir aproveitar os dias de descanso fora do país, já existem muitos pontos turísticos que estão a adotar uma estratégia de turismo sustentável, como a ilha do Maio, em Cabo Verde.
#6 Faça compras "verdes"

Fazer a lista de compras pode ser uma tarefa aborrecida mas é possível dar-lhe um significado mais verde ao comprar produtos amigos do ambiente e do mar. A ONU alerta que mais de metade do mundo depende de fertilizantes de azoto e fósforo na produção de alimentos mas grande parte não é utilizado sequer na fase de cultivo.

Dez milhões de toneladas de azoto vão parar ao mar todos os anos, o que se culmina num crescimento excessivo de algas e zonas mortas. Por isso, na próxima vez que se dirigir ao supermercado, experimente a seleção de produtos biológicos que não utilizam químicos e estará também a reforçar a saúde aí de casa.
#7 Pense no impacto ambiental dos animais de estimação

Por mais que gostemos dos nossos animais de estimação é importante pensar no impacto que os nossos pequenos companheiros têm no ambiente.

Se é dono de um gato tenha o cuidado de não despejar a areia pela sanita já que essa descarga pode ser bastante nociva para a vida marinha.

Tem um filho pequeno que viu o filme "Nemo" e agora quer libertar o seu peixe no oceano? Saiba que libertar um peixe de aquário nos cursos de água pode introduzir espécies perigosas para o ecossistema em causa.
#8 Envolva-se em projetos de voluntariado

Quer ter experiências novas e aprimorar as competências? O voluntariado pode ser o tipo de atividade ideal para si e que certamente valorizará o currículo. Existem projetos de voluntariado em quase todas as áreas e o oceano não poderia estar "fora da rede".

Ocean Alive, Sea Shepherd, Brigada do Mar e Movimento Ajude a Limpar a Praia, são exemplos de organizações que se dedicam a projetos deste calibre e que precisam de voluntários. Fale com a sua rede de contactos e verifique que projetos existem na sua área de residência.
#9 Aprenda enquanto se diverte

Reconhecer os problemas que estamos a causar nos nossos oceanos poderá ser meio caminho para as próximas gerações não voltarem a cometer os mesmos erros. É essencial continuar a sensibilizar a população para esta causa, especialmente tendo em conta o risco que constitui para o futuro da Homem. Eduque-se sobre o assunto e motive as pessoas à sua volta para fazer o mesmo.

Pode fazer esta aprendizagem de uma forma relaxada e divertida, seja através de um documentário ou até mesmo de um vídeo do YouTube. O conhecimento estará apenas a um click de distância. Pegue nas pipocas e aproveite os tempos livres de uma forma lúdica.
#10 Seja um cidadão ativo

Exercer uma cidadania ativa e participada exige que estejamos cientes do que está a ser desenvolvido para a evolução da sociedade. Se depois de ler este conjunto de dicas ficou sensibilizado e sente que deve tomar uma atitude perante o problema, comece a investigar se o governo e as autarquias estão a realmente a promover medidas que vão ao encontro do Artigo 66.º da Constituição Portuguesa - Ambiente e Qualidade de Vida.

Os governos pertencentes à ONU têm de mobilizar esforços para cumprir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14- Promover a Vida Marinha, que é considerado ODS com o menor investimento no momento. Mas não pense que só as grandes entidades podem fazer a diferença, o ativismo começa em cada um de nós e é a chave para determinar o destino dos oceanos. Não deixe que o futuro nos reserve apenas lixo e plástico onde antes havia oceano e areal e fauna e flora marítimas.

}