Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Presidente do Serviço de Dependências alerta para violência contra profissionais

Casos exercidos por utilizadores de drogas deixaram de ser uma raridade devido a uma alteração dos consumos.
Lusa 17 de Janeiro de 2020 às 18:37
João Goulão
João Goulão
João Goulão
João Goulão
João Goulão
João Goulão
Os casos de violência exercida por utilizadores de drogas contra profissionais de saúde deixaram de ser uma raridade devido a uma alteração dos consumos, alertou esta sexta-feira o presidente do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD).

"Hoje em dia, com uma muito maior predominância de estimulantes e de perturbações mentais com alguma gravidade a elas associadas, essas situações de violência começaram a ocorrer com maior intensidade", disse João Goulão num evento na Câmara de Lisboa, no qual o presidente da autarquia, Fernando Medina, anunciou que a capital portuguesa vai acolher em setembro a conferência internacional Fast-Track Cities 2020.

No evento, o especialista contou que uma instituição que desenvolve "um trabalho meritório junto da comunidade" lhe transmitiu que, "fruto das alterações de padrões de consumo e das substâncias consumidas entre a população utilizadora de drogas", os episódios de violência que no passado eram uma raridade começaram a acontecer

À margem da iniciativa, João Goulão disse à Lusa que esta situação se deve a "um maior consumo de cocaína e a uma degradação das condições de saúde mental de muitos dos utilizadores".

"Enquanto a população objeto da nossa intervenção era sobretudo utilizadora de opiáceos, nomeadamente heroína, tínhamos quase invariavelmente uma colaboração e uma cordialidade na relação entre os utilizadores e os profissionais, mas com os episódios de desorganização mental, causada pelos estimulantes, acontece ainda que esporadicamente, mas vão acontecendo, algumas situações que podem pôr em risco a integridade dos profissionais", explicou.

Nas últimas semanas, lembrou, tem-se ouvido "vários relatos de episódios de agressões a profissionais de saúde, noutros contextos que não têm nada a ver com as drogas", ou pelo menos julga-se que não, "mas é importante que tenhamos consciência de que esta é uma realidade e que é importante proteger a integridade das pessoas que dão o melhor de si no dia a dia para ajudar os nossos concidadãos".

Segundo o responsável, as agressões acontecem principalmente contra os profissionais que estão nas equipas de tratamento e nas carrinhas de distribuição de metadona, onde "há uma maior proximidade com pessoas, eventualmente, mais desorganizadas" a nível mental, disse, adiantando que são sobretudo pessoas com percursos mais prolongados de utilização de droga.

Estas situações fizeram "tocar as campainhas" e "congregar as forças policiais" para apoiar de forma ainda mais efetiva, para dissuadir este tipo de comportamento sem que "isso tenha a contrapartida de afastar e afugentar os utentes das respostas", sublinhou.

No evento, foi discutida a necessidade das Fast-Track Cities seguirem políticas de drogas baseadas no conhecimento para reduzir novas infeções por VIH, respeitando os direitos daqueles que usam drogas.

O Relatório sobre Drogas da Onusida reconhece que, enquanto novas infeções por VIH entre adultos tiveram mundialmente um declínio de 14% entre 2011 e 2017, não houve uma diminuição no número anual de novas infeções por VIH entre aqueles que injetam drogas.

Mas em Portugal, entre 2008/2017, houve uma descida de 93% nos casos de VIH nesta população, segundo o Programa Nacional VIH/SIDA, para a qual contribuíram as políticas de redução de danos.

"As políticas de drogas devem focar-se na redução de danos, em vez de alimentar o estigma associado à criminalização do uso de drogas", defendeu Fernando Medina.

O presidente do International Association of Providers of AIDS Care, José Zuniga, afirmou, por seu turno, que "onde se aplicam políticas de drogas corretas e se disponibilizam serviços de redução de danos, como em Portugal", observa-se "um decréscimo significativo de infeções por VIH" nesta população.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)