Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Protesto de corda ao pescoço

Protesto silencioso que pretende alertar as autoridades para os problemas das pessoas que têm doença mental.
20 de Julho de 2015 às 14:20
Cerca de 100 pessoas com doença mental e familiares concentraram-se de corda ao pescoço frente à ARS/Norte, no Porto
Cerca de 100 pessoas com doença mental e familiares concentraram-se de corda ao pescoço frente à ARS/Norte, no Porto FOTO: LUSA
Mais de meia centena de pessoas desfilou esta segunda-feira no Porto, de corda ao pescoço, num protesto silencioso cujo objetivo era "alertar as autoridades de saúde para os problemas das pessoas que têm doença mental", bem como reivindicar mais apoios.

A ação foi promovida por uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), a ENCONTRAR+SE, que tem sede no Porto e apoia quase uma centena de utentes desde 2008, mas que "está em situação limite", de acordo com José Augusto Pereira, porta-voz do grupo de familiares e utentes que esta manhã marcou presença no protesto.

"A corda ao pescoço simboliza o estado terminal da ENCONTRAR+SE e dos cuidados com a saúde mental em Portugal", disse o porta-voz, descrevendo doenças mentais, algumas delas crónicas, que podem causar situações muito incapacitantes para os pacientes.

José Augusto Pereira explicou que a ENCONTRAR+SE presta serviços de psicologia, psiquiatria e terapêuticos. Também organiza atividades para ocupação dos utentes e apoio aos familiares, entre outras ações e apoios, "quase a título gratuito" e fruto de "ajudas pontuais e patrocínios"
Porto Instituição Particular de Solidariedade Social IPSS ENCONTRAR+SE Portugal saúde outras doenças
Ver comentários