Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Queda de estação espacial chinesa será semelhante a chuva de meteoros

Governo chinês desvaloriza queda da ‘Tiangong-1’ e diz que Terra não vai ser atingida por grandes pedaços.
Sónia Trigueirão 31 de Março de 2018 às 01:30
Movimento da estação espacial ‘Tiangong-1’ está a ser monitorizado FOTO: EPA
O governo chinês veio ontem assegurar que é pouco provável que cheguem à Terra grandes pedaços da estação espacial ‘Tiangong-1’. Já a Agência espacial chinesa (CMSEO) prometeu um "espetáculo magnífico", semelhante a uma chuva de meteoros.

Lu Kang, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, afirmou que, "se for necessário", o governo chinês entrará "imediatamente em contacto" com o país onde o objeto cair e garantiu que a China "tem sido totalmente transparente e responsável" em relação a este assunto.

Já a Agência Espacial chinesa, numa mensagem publicada nas redes sociais, diz que "as pessoas não têm motivos para se preocupar" porque este género de estação espacial "não cai violentamente sobre a Terra como nos filmes de ficção científica, mas desintegra-se como uma magnífica chuva de meteoros num belo céu estrelado, à medida que os respetivos destroços avançam em direção à Terra". E a CMSEO acrescenta que o risco de um ser humano ser atingido por um fragmento espacial com mais de 200 gramas é de um para 700 milhões.

Não há dados concretos, mas a Agência Espacial Europeia (ESA) admitiu que a ‘Tiangong-1’ poderá entrar na atmosfera terrestre entre as 13h00 de hoje (hora de Lisboa) e a tarde de amanhã.

Portugal na rota de colisão de destroços da estação espacial
A Agência Espacial Europeia (ESA) tem avançado que a zona onde a estação espacial irá cair ainda não é conhecida, mas que existem indícios de que os destroços possam cair no hemisfério norte, o que implica a possibilidade de Portugal ser atingido. Entre os locais prováveis para a queda de destroços da ‘Tiangong-1’ estão também o Norte da China, Médio Oriente, Itália central, Norte de Espanha, Norte dos Estados Unidos, Nova Zelândia, Tasmânia, parte da América do Sul e África do Sul.

7500
toneladas é a quantidade de lixo espacial que está distribuído pelo espaço. Está previsto para o final deste ano o lançamento de satélites de recolha destes detritos.

‘Sputnik I’ lançado em 1957
A 4 de outubro de 1957 ocorreu o lançamento do primeiro satélite artificial da Terra. ‘Sputnik I’ foi enviado pela União Soviética e orbitou o planeta durante 22 dias antes de se incendiar ao reentrar na atmosfera.

China lançou ‘Tiangong-2’
Em 2016, a China lançou a ‘Tiangong-2’, com vista ao desenvolvimento de uma estação espacial habitável, prevista para 2022.
Ver comentários