Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Semana com chuva não anula seca no Sul do País

Chuva forte e persistente no Norte e Centro deverá chegar este domingo.
João Saramago 26 de Janeiro de 2020 às 01:30
Seca extrema afeta culturas agrícolas nos concelhos de Alcoutim e Castro Marim
Consequência das alterações climáticas
Seca extrema afeta culturas agrícolas nos concelhos de Alcoutim e Castro Marim
Consequência das alterações climáticas
Seca extrema afeta culturas agrícolas nos concelhos de Alcoutim e Castro Marim
Consequência das alterações climáticas

As previsões meteorológicas apontam para uma semana marcada pela chuva. Contudo, no Sotavento do Algarve e no concelho alentejano de Mértola, áreas que enfrentam a situação de seca mais grave do País, não está prevista a ocorrência de precipitação.

Para amanhã as previsões apontam para períodos de chuva, que poderá ser forte e persistente no Minho e Douro Litoral e sob a forma de neve nos pontos mais altos da serra da Estrela, até ao início da manhã. Para os restantes dias da semana a chuva vai continuar, associada à neblina ou nevoeiro matinal.

Em resultado da chuva, haverá uma subida das temperaturas mínimas entre os três e os sete graus no espaço de 24 horas. Em Lisboa, a evolução será de 8 para 12 graus na manhã de segunda-feira. No Porto, de 6 para 11, e em Coimbra de 4 para 11. Já em Bragança, a capital de distrito mais fria, a evolução é de zero para 3 graus.

Diferente é, contudo, a previsão para o Algarve, região onde persiste a situação de falta de água nos solos, com especial foco para o Sotavento Algarvio, onde a seca é classificada de severa. Para os próximos dias, na parte leste do Algarve, a previsão é de céu parcialmente nublado. No Barlavento, há a indicação de chuva, mas será apenas fraca ou chuviscos.

A ausência de chuva é também apontada a partir de terça-feira em Mértola, o concelho mais atingido no Alentejo pela falta de água nos solos.

A maior parte do Baixo Alentejo, a exemplo do Barlavento Algarvio, está em situação de seca moderada. Para os próximos dias, há a possibilidade de ocorrência de chuva, mas não terá a mesma intensidade da chuva indicada para o Norte e Centro, sendo previsível que até final de janeiro a região permaneça em situação de seca.

Alentejo regista quatro barragens com menos de 20%
A chuva intensa ocorrida neste inverno retirou a grande maioria das barragens de uma situação crítica. Há, contudo, quatro barragens, todas no Alentejo, onde o volume de armazenamento permanece abaixo dos 20%. Uma delas é Divor, no concelho de Arraiolos, com 12,3%, albufeira que integra a bacia hidrográfica do rio Tejo. As restantes três barragens situam-se na bacia do rio Sado: Campilhas (Santiago do Cacém) regista 8,6%, Monte da Rocha (Ourique) apresenta 10% e Roxo (Aljustrel) tem 16,5%.

SAIBA MAIS
86%
do valor habitual de precipitação foi verificado em 2019. A precipitação média anual foi de 755,6 litros por metro quadrado, contudo, o território do continente regista fortes disparidades entre o Norte e o Sul.

Três tempestades
A passagem das depressões ‘Daniel’, ‘Elsa’ e ‘Fabien’ em dezembro, originou em Portugal
continental precipitação forte e persistente e vento forte, provocando estragos avultados.

Dez meses de seca
Todo o território do continente viveu em situação de seca entre janeiro e outubro de 2019. Na região Sul, a seca permanece.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)