Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-Montes

Chuva intensa durante hora e meia inunda ruas da cidade de Chaves, edifícios públicos e habitações.
Patrícia Moura Pinto 13 de Agosto de 2020 às 08:43
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
Tempestade inunda ruas e destrói culturas em Trás-os-montes
A chuva e o granizo que caíram com intensidade em algumas zonas de Trás-os-Montes, na terça-feira à noite, causou inundações de ruas, habitações e edifícios públicos, bem como provocou estragos em algumas culturas como hortas, vinhas e olivais. Chaves e Valpaços foram os concelhos mais afetados.

Na localidade de Silva, na freguesia de Carrazedo de Montenegro, Valpaços, a agricultura foi dizimada em meia hora com a queda intensa de granizo. “A trovoada começou pouco passava das 19 horas. Durou uma meia hora, mas com muita queda de granizo, pedras enormes. As culturas estão todas destruídas, nem as pequenas hortas nos quintais escaparam”, diz Nuno Borges de 55 anos. “Foi meia hora que destruiu o trabalho de um ano inteiro para o agricultor. Grande parte da população vive do que a terra dá e agora muitos vão ficar sem nada”, realça José Teixeira, da Junta de Freguesia de Carrazedo de Montenegro.

A viver em Lisboa, mas a passar uns dias na terra natal, Manuel Nascimento, de 55 anos, ficou admirado com o que viu. “O granizo caía e era um barulho ensurdecedor. Basta dar um pequeno passeio e ver que estão as culturas todas desfeitas.” Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Vila Real, foram registadas em Chaves 17 ocorrências relacionadas com a passagem da tempestade, entre pedidos de ajuda para inundações e quedas de árvores nas zonas periféricas da cidade como: Santa Maria Maior, Santa Cruz Trindade e Sanjurge.

Nuno Vaz, autarca de Chaves, refere que choveu mais na cidade durante uma hora e meia do que em média choveu durante todo o mês de agosto. A trovoada seca que se fez sentir nos distritos de Vila Real e Bragança deu origem a alguns incêndios florestais que foram rapidamente extintos. Para os próximos dias estão previstos aguaceiros em algumas zonas do País bem como episódios de trovoada e chuva forte.
Trás-os-montes Chaves Valpaços meteorologia política autoridades locais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)