Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

“Tive vergonha de estar grávida”: As declarações da mãe que abandonou recém-nascido no lixo

Crime ocorreu em novembro de 2019. Sara Furtado começou a ser julgada esta quarta-feira no Campus de Justiça.
Patrícia Lima Leitão e Iona Sandu 10 de Setembro de 2020 às 01:30
Bebé abandonado à nascença no lixo
Resgate da criança
Arguida de 22 anos está em prisão preventiva
Bebé abandonado à nascença no lixo
Resgate da criança
Arguida de 22 anos está em prisão preventiva
Bebé abandonado à nascença no lixo
Resgate da criança
Arguida de 22 anos está em prisão preventiva
"Tive vergonha de estar grávida e senti medo. Eu queria ter o bebé e criá-lo, mas quando ele nasceu não sabia o que fazer com ele. Coloquei-o no lixo para alguém o encontrar". As palavras são de Sara Furtado, de 22 anos, acusada de ter abandonado o filho recém-nascido num ecoponto amarelo, dentro de um saco de plástico, em Santa Apolónia, Lisboa, na madrugada de 5 de novembro de 2019. Começou a ser julgada esta quarta-feira no Campus de Justiça.
Depois de cometer o crime, a arguida livrou-se das roupas ensanguentadas. No dia seguinte, voltou ao local. Viu que o bebé continuava no lixo e seguiu caminho, para comparecer a um compromisso que tinha marcado em Alfama. Esta quarta-feira, chorou em frente do coletivo de juízes e garantiu que só soube que estava grávida aos sete meses de gestação, o que a terá assustado. “Fiquei em pânico e desespero”, contou. Justificava, por isso, a barriga que tinha saliente com “gases”.

Sara Furtado vivia com o namorado na rua, numa tenda de campismo, desde junho de 2019, após desentendimentos com a mãe. “Eu nunca percebi nem desconfiei de nada. Ela dizia que estava só inchada e que eram gases. No dia em que nos disseram que estava um bebé no lixo, fomos lá imediatamente. Ela andava comigo a procurar, mas eu nunca soube de nada”, disse esta quarta-feira Milton Sydney, o namorado. A mãe e irmã da arguida não quiseram falar.

A arguida está em prisão preventiva, acusada de tentativa de homicídio qualificado.

O bebé, resgatado com vida 15 horas após ter sido abandonado, recebeu tratamento hospitalar e seguiu para uma família de acolhimento temporário. Completou 10 meses há cinco dias.
Ver comentários