Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Travão a fundo nas viagens: Fronteiras vão manter-se fechadas mais um mês

Portugal também decidiu interditar os voos até 15 de junho.
Sérgio A. Vitorino 15 de Maio de 2020 às 01:30
Aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
Aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
Aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa
O dia em que o tempo parece ter parado no aeroporto de Lisboa

No próximo mês Portugal vai continuar a não permitir viagens de e para fora do País, com as exceções que já existem (países da União Europeia e alguns de língua portuguesa). Os voos estão interditos para fora da UE e são praticamente inexistentes no seu interior.

As fronteiras terrestres estarão fechadas até 15 de junho. De resto, a maioria dos países europeus continuará, pelo menos até essa data, com as fronteiras fechadas, o que tornará impossível a visita de emigrantes.

Espanha, Eslováquia, Reino Unido e eventualmente França (ainda não há decisão) vão impor quarentena de duas semanas a todos os chegados do estrangeiro. Alguns vão propor aplicações nos telemóveis para que as forças de segurança possam verificar se cumprem.

Mas há exceções. A Croácia abriu um corredor turístico para receber checos - e a Itália alertou que isso destruirá o mercado comum. E Alemanha começa a abrir esta sexta-feira por estados. Primeiro, os que fazem fronteira com o Luxemburgo e Dinamarca. França, Suíça e Áustria só a 15 de junho. Espanha só abrirá em julho. A maioria desconfina entre esta sexta-feira e dia 18.

TERMÓMETRO DA CRISE
Só 1238 viaturas
As fábricas de automóveis instaladas em Portugal produziram apenas 1238 viaturas em abril. A quebra, provocada pela pandemia do novo coronavírus, foi de 95,7% face ao mesmo mês do ano passado. Neste mês, para evitar surtos de contágio entre os trabalhadores, as fábricas mantiveram a produção parada. A Volkswagen Autoeuropa, a maior produtora nacional, só regressou ao trabalho no dia 27.

Sem comerciais
Os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) mostram que, em abril, "pela primeira vez" não se produziram comerciais ligeiros no País. E só saíram seis veículos pesados das fábricas nacionais, com uma quebra de 98,5%.

Efeitos alargados
Os efeitos da pandemia refletem-se também no balanço dos primeiros quatro meses do ano. Até abril foram produzidos 78 442 veículos nas fábricas nacionais. É uma quebra homóloga de 36,3%, revela a ACAP.

Exportações pesam 
A ACAP recorda que as exportações são fundamentais para o setor e para a balança comercial do País, já que absorvem 98,1% da produção automóvel nacional. Dos veículos que seguiram além-fronteiras, 97,5% destinaram-se a outros países europeus. Destaque natural para Alemanha e França, onde se localizam as casas-mãe dos dois maiores fabricantes nacionais: a Volkswagen Autoeuropa e a PSA Mangualde.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários