Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

UTAD quer maximizar atividade presencial mas preparou vários cenários

Em todos os espaços comuns da academia transmontana será reforçada a higienização e obrigatório o uso de máscara.
Lusa 31 de Agosto de 2020 às 09:17
Fachada do edifício da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Fachada do edifício da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro FOTO: José Ponteira
A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) está a organizar o ano letivo 2020/2021 prevendo uma solução mista de ensino, mas maximizando a atividade presencial por a considerar essencial para o desenvolvimento dos estudantes.

O vice-reitor para a área do Ensino, José Luís Mourão, disse à agência Lusa que a academia, localizada em Vila Real, preparou o próximo ano letivo com base em três cenários.

No cenário considerado o mais provável, que é aquele em que a covid-19 está presente mas os riscos estão controlados, haverá uma solução mista de ensino presencial e à distância, sendo o "presencial maioritário".

De acordo com o responsável, o ensino à distância está previsto sobretudo nos casos em que a dimensão das turmas e a disponibilidade de salas não permitem garantir as normas de segurança sanitária no ensino presencial.

Nesta solução mista, a UTAD pretende maximizar o peso das aulas presenciais por ano curricular de cada curso, organizar o funcionamento das atividades letivas em dois turnos, entre as 08h30 e as 13h30 e entre as 14h00 e as 20h00, criando horários desfasados entre anos letivos e turmas, reduzindo a concentração dos alunos, dos professores e do pessoal não docente nas instalações, na utilização das cantinas e nas deslocações de e para a universidade.

Serão ainda concentradas as aulas de cada ano letivo e turma na semana, de modo a reduzir o número de vezes que os alunos se deslocam à academia, ao longo da semana.

As aulas de ensino presencial com número de estudantes superior à lotação da sala serão transmitidas em simultâneo por videoconferência e, caso os docentes das unidades curriculares pertençam a um grupo de risco, pode ser atribuída a unidade curricular a outro docente ou realizado o ensino à distância.

Se se verificar um agravamento da pandemia as atividades letivas decorrerão maioritariamente em regime à distância e, caso a situação de pandemia se resolva, a atividade letiva será em regime presencial. No entanto, a academia considera estes cenários como improváveis.

"Em qualquer um dos cenários a situação da pandemia será avaliada sistematicamente e implementadas medidas de forma a garantir a segurança de todos os estudantes e colaboradores, consoante as recomendações que venham a ser emanadas pelas autoridades de saúde pública", frisou o vice-reitor.

Nas residências universitárias vai ser garantida uma distância lateral mínima de dois metros entre camas em quartos com mais do que um estudante, redefinida a lotação máxima dos espaços comuns e condicionada a realização de convívios.

Em resultado das medidas, o número de camas disponíveis foi reduzido de 532 para 358.

O responsável disse que para compensar esta redução, os serviços sociais da UTAD procuram realizar contratos privilegiados com outras entidades de modo a garantir aos estudantes alojamento com rendas acessíveis.

José Luís Mourão referiu ainda que os "estudantes bolseiros sem lugar nas residências têm direito a um complemento de bolsa de estudos até 175 euros".

Em todos os espaços comuns da academia transmontana será reforçada a higienização e obrigatório o uso de máscara.

O vice-reitor disse ainda que a UTAD definiu orientações para os estudantes de mobilidade, considerando que os provenientes de países europeus (espaço Schengen e países Erasmus) "são bem-vindos em 2020/2021", no entanto, foi recomendado às instituições de origem que adiem a mobilidade para o segundo semestre (a partir de fevereiro), para que os estudantes possam desfrutar de uma experiência mais completa, já que a presença de estudantes no campus será mais restrita do que o normal.

Dados os maiores riscos da mobilidade para as instituições de países não europeus, a UTAD suspendeu a mobilidade internacional de entrada e saída no primeiro semestre de 2020/2021 e mostrou disponibilidade para receber os estudantes durante o segundo semestre.

José Luís Mourão disse que se verificou "uma diminuição do número das candidaturas para a mobilidade em 2020/2021, em particular para o primeiro semestre, e o aumento de desistências nas candidaturas já aceites pela UTAD".

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 843 mil mortos e infetou mais de 25 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro José Luís Mourão coronavírus ensino superior aulas
Ver comentários