Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia
7

Automóveis aceleram rumo à autonomia com evolução tecnológica

Maioria dos veículos vendidos atualmente já dispõe de muitos sistemas de assistência à condução.
Raquel Oliveira 13 de Janeiro de 2020 às 08:51
Automóveis inteligentes
Automóveis inteligentes
Automóveis inteligentes
Automóveis inteligentes
Automóveis inteligentes
Automóveis inteligentes
A visão de automóveis autónomos a circular sem a intervenção dos condutores faz atualmente parte das previsões da indústria automóvel.

Na realidade, os veículos da atualidade ainda não dispensam a mão do condutor mas já vêm equipados com automatismos que substituem, com mais conforto e segurança, a decisão humana.Inicialmente disponíveis nas versões mais caras das marcas, a maioria destes equipamentos integra atualmente praticamente todos os modelos, de série ou opcional.

Exemplos disso são os casos dos sensores de chuva ou de estacionamento que se acionam automaticamente em presença de água ou da marcha-atrás.

Mas também já é comum veículos equipados com faróis inteligentes que se adaptam em função da luminosidade existente, ou sistemas de alerta de ângulo morto - que assinalam a aproximação de um veículo para ultrapassagem, protegendo o condutor da falta de visão temporária –, ou até mesmo a deteção e correção de faixa de rodagem.

Estes equipamentos colocam a maioria dos automóveis vendidos hoje em todo o Mundo no primeiro e segundo níveis da condução autónoma, numa escala em que no primeiro nível tudo é controlado pelo condutor e no último tudo é controlado pelo veículo.

Trata-se de uma classificação da Society of Automotive Engineers (SAE) que se baseia no grau de autonomia da viatura e no grau de necessidade de intervenção do condutor.

O terceiro e o quarto níveis já estão muito próximos da autonomia total mas ainda exigem o condutor. Por fim, o quinto nível é o sonho da indústria automóvel: a circulação sem intervenção do condutor.

As melhores previsões apontam 2030 como o primeiro ano para a circulação de veículos autónomos. Mas subsistem ainda muitas questões por resolver, nomeadamente éticas e morais (quem deverá ser considerado responsável em caso de acidente?).

Para já, os veículos continuam com autonomia muito limitada e sujeita à vontade do condutor que ainda pode, se o desejar, desligar os sistemas.

Comunicações fundamentais entre automóveis e estradas
O futuro da indústria automóvel passa também pela comunicação: entre automóveis e entre estes e as estradas.

Para estas ligações, vai ser decisiva a nova geração móvel – o 5G - que deverá arrancar em Portugal no segundo semestre deste ano, segundo a Autoridade Nacional de Comunicações.

Portugal integra um conjunto de projetos a nível europeu para o desenvolvimento de sistemas que vão permitir a condução autónoma.

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes e a Brisa integram os projetos-pilotos nesta área.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)