Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia
1

Uso das aplicações da Signal e da Telegram sobe após Whatsapp mudar de política

Entre 06 e 10 de janeiro, a Signal acumulou 7,5 milhões de 'downloads' para os sistemas operativos móveis Android e iOS.
Lusa 14 de Janeiro de 2021 às 00:10
Telegram
Telegram FOTO: Getty Images
A instalação das aplicações móveis das redes sociais Signal e Telegram aumentaram nos Estados Unidos, desde que a plataforma WhatsApp confirmou a partilha de dados com a empresa Facebook, após os distúrbios no Capitólio, na quarta-feira passada.

Entre 06 e 10 de janeiro, a Signal acumulou 7,5 milhões de 'downloads' para os sistemas operativos móveis Android e iOS, superando em 43 vezes o número registado na semana anterior, adiantou o sítio Sensor Tower, especializado em ?software' para telemóveis.

Já a Telegram contabilizou, segundo o portal Apptopia, 5,6 milhões de descargas no mesmo período e anunciou, na terça-feira, que ultrapassou os 500 milhões de utilizadores ativos em todo o mundo, 25 milhões dos quais registados nas 72 horas anteriores.

Esta subida nos 'downloads' aconteceu depois da invasão à sede do Congres, perpetrada por apoiantes do ainda Presidente Donald Trump, que resultou, pelo menos, em cinco mortes e motivou a remoção de conteúdo ultraconservador na Internet.

Os incidentes ocorridos em Washington ditaram, por exemplo, o encerramento da aplicação de mensagens encriptadas Parler, popular entre pessoas afetas à extrema-direita, e a suspensão das contas de Trump nas redes sociais Facebook e Twitter, após o chefe de Estado ter incitado ou desvalorizado os atos de violência.

O aumento de ?downloads' da Signal e da Telegram está a ocorrer após a WhatsApp ter anunciado, em 04 de janeiro, que iria compartilhar alguns metadados para fins comerciais com a empresa que a tutela, a Facebook, alterando a política de privacidade.

A WhatsApp realçou que as mensagens escritas e os contactos guardados na aplicação vão permanecer criptografadas, não estando acessíveis à Facebook, mas admitiu que, a partir de 08 de fevereiro, há metadados que vão estar ao dispor da Facebook, com vista à melhoria dos serviços de comércio eletrónico e de publicidade.

"A nossa atualização da política de privacidade não afeta suas mensagens com amigos e familiares", adiantou, num momento em que o número de 'downloads' semanais tem diminuído.

Crítico do veto ao Presidente Trump em várias redes sociais, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que criou uma conta na Telegram na sexta-feira e já reuniu, até terça-feira, 98,5 mil seguidores.

Ver comentários