Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
8

Ações da Impresa caem mais de 4% pós saída de Cristina Ferreira

Dona da SIC está a reagir em queda à saída da apresentadora para a rival TVI.
Jornal de Negócios 20 de Julho de 2020 às 10:39
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira

As ações da Impresa estão a negociar em terreno negativo na bolsa à novidade anunciada na sexta-feira após o fecho da sessão de que Cristina Ferreira trocou a SIC pela TVI.

Os títulos recuam 4,01% para 0,1315 euros, com perto de 75 mil ações transacionadas na primeira hora de negociação, o que compara com a média diária dos últimos seis meses de 248 mil títulos transacionados.

A descida das ações para mínimos de 2 de junho eleva as perdas de 2020 para 37,38% e reduz a capitalização bolsista da cotada liderada por Francisco Pedro Balsemão para 22,1 milhões de euros.


A contratação de Cristina Ferreira há menos de dois anos ajudou a Impresa a valorizar na bolsa, já que a SIC roubou a liderança nas audiências à TVI pouco depois da contratação da apresentadora.

As ações da Impresa dispararam 54% em 2019 depois de terem recuado mais de 60% no ano anterior.

Agora inverte-se a tendência, com os investidores a anteciparem que o efeito "Cristina Ferreira" pode ter impacto nas audiências da TVI.

A apresentadora assume o cargo de Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI e manifestou a intenção de comprar uma participação na Media Capital, companhia que controla o canal televisivo.

A SIC emitiu um comunicado a anunciar que "reserva todos os seus direitos em face desta situação". O Expresso, que também é controlado pela Impresa, avançou que a SIC pode pedir uma indemnização de até 4 milhões de euros pela quebra do contrato que tinha com Cristina Ferreira até 30 de novembro de 2022.

SIC Impresa Cristina Ferreira TVI economia negócios e finanças media
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)