Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
4

‘Anúncio’ sobre morte a caminho do tribunal

Jornal publica texto humorístico sobre os dias em que os habitantes de Coutos podem morrer.
Paulo João Santos 21 de Janeiro de 2018 às 01:30
Cemitério de Coutos de Baixo fecha durante a semana
‘Anúncio’ publicado na página de humor do ‘Jornal do Centro’ ironiza o facto
Cemitério de Coutos de Baixo fecha durante a semana
‘Anúncio’ publicado na página de humor do ‘Jornal do Centro’ ironiza o facto
Cemitério de Coutos de Baixo fecha durante a semana
‘Anúncio’ publicado na página de humor do ‘Jornal do Centro’ ironiza o facto
Um texto irónico, publicado em forma de anúncio no ‘Jornal do Centro’, está a incendiar as redes sociais e já motivou um processo-crime contra a publicação. Nele se dá conta de que, em Coutos de Baixo, Viseu, "os cidadãos só podem falecer quinta-feira e sexta-feira, para permitir que os funerais ocorram sábado e domingo" e que "o falecimento noutros dias será considerado ato de desobediência civil, sujeito a contraordenação, caso o falecido seja reincidente".

"É uma página de humor, onde procuramos dar uma visão diferente e divertida dos fenómenos regionais. Neste caso, aludimos ao facto de a Freguesia de Coutos ter aprovado o fecho do cemitério [de Coutos de Baixo] durante a semana", explicou ao CM o diretor da publicação, António Figueiredo.

O problema é que alguém recortou o ‘anúncio’ da página e o colocou nas redes sociais, provocando uma chuva de críticas.

Fernando Almeida, presidente da Junta de Coutos, é que não gostou nada da ironia. "Já avançámos com um processo crime contra os responsáveis do jornal", revelou ao CM, revoltado, criticando ainda o facto de o ‘anúncio’ utilizar os símbolos das extintas freguesias de Couto de Baixo e Couto de Cima – que deram lugar à freguesia de Coutos.

"Decidimos encerrar o cemitério aos dias de semana porque poucas pessoas lá iam e havia relatos de roubos e atos de feitiçaria. É uma forma de defender e respeitar o espaço", concluiu. A polémica deverá, agora, seguir nos tribunais.
Ver comentários