Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media

Atentado à liberdade de imprensa leva adepto do FC Porto a tribunal

Acusação diz que microfone da CMTV foi levado por Henrique Ramos, membro dos Super Dragões, ou por alguém a seu mando.
Liliana Rodrigues 24 de Outubro de 2018 às 01:30
Henrique Ramos com o microfone da CMTV
Henrique Ramos simulou entrevista a militares da GNR
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos com o microfone da CMTV
Henrique Ramos simulou entrevista a militares da GNR
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos com o microfone da CMTV
Henrique Ramos simulou entrevista a militares da GNR
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro dos Super Dragões
Henrique Ramos, membro da claque dos Super Dragões, vai ser julgado pelos crimes de dano e atentado à liberdade de imprensa. Em causa está o furto do microfone da CMTV e também a destruição de equipamento no julgamento da operação Fénix, no qual Pinto da Costa era arguido.

A acusação do Ministério Público de Guimarães dá conta de que, a 15 de fevereiro de 2017, Henrique Ramos "ou alguém a mando dele, que não foi possível identificar, retirou o microfone" da equipa da CMTV, que estava junto à câmara de filmar.

Publicou depois vários vídeos nas redes sociais com o mesmo microfone, que veio a entregar mais tarde na esquadra da PSP.

Ainda nesse mesmo dia, o adepto portista agarrou duas vezes a máquina de filmar da equipa da CMTV, tentado destruir o teradek, aparelho que permite que seja feita transmissão em direto. Causou estragos não só no teradek, como em quatro pens de internet.

"Ao subtrair o microfone da máquina de filmar e ao estragar o aparelho teradek e as pens, agiu o arguido com o intuito de obstar a que os jornalistas do Correio da Manhã e da CMTV pudessem divulgar, pelo menos em direto, a saída dos arguidos do julgamento que estava a decorrer, bem como os pudessem entrevistar", diz a procuradora.

A magistrada salienta ainda que Henrique Ramos tinha perfeita noção de que tanto o aparelho teradek, como as pens e o microfone eram "instrumentos necessários ao exercício da atividade dos jornalistas".
Ver comentários