Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
4

Deco recebe dezenas de queixas contra a Nowo

Consumidores indignados com operadora que alega fidelização para os impedir de rasgar contratos.
João Bénard Garcia 20 de Novembro de 2018 às 01:30
SPORT TV  cortou o sinal  dos seus canais  à Nowo no seguimento de uma  dívida da operadora e da rutura das negociações
A NOWO detém os direitos de transmissão da Liga dos Campeões até à época 2020/2021
Televisão
SPORT TV  cortou o sinal  dos seus canais  à Nowo no seguimento de uma  dívida da operadora e da rutura das negociações
A NOWO detém os direitos de transmissão da Liga dos Campeões até à época 2020/2021
Televisão
SPORT TV  cortou o sinal  dos seus canais  à Nowo no seguimento de uma  dívida da operadora e da rutura das negociações
A NOWO detém os direitos de transmissão da Liga dos Campeões até à época 2020/2021
Televisão
A Deco – Associação de Defesa do Consumidor – já recebeu mais de 45 queixas de clientes da operadora Nowo, que "não está a facilitar rescisões" depois de terem perdido o sinal dos canais Sport TV, por decisão unilateral desta estação de televisão de desporto, alegadamente devido a uma dívida elevada da operadora.

Segundo a associação, as mais de 45 reclamações que receberam nos últimos dias são todas de clientes Nowo que "deixaram de ter acesso aos canais da Sport TV".

"A maioria dos queixosos contratualizou os serviços da Nowo com a intenção de terem acesso a estes canais e por isso sentem-se defraudados com o seu desaparecimento", revela fonte oficial da Deco ao CM, assegurando ainda que "a maioria das pessoas quer rescindir contrato e a Nowo não está a facilitar".

Este tipo de reclamações – quebra contratual com falha na transmissão do sinal de certos canais – "foi uma situação que ocorreu há muitos anos, em especial no tempo da TV Cabo, mas que deixou de acontecer com frequência nos últimos anos", acrescenta a fonte da Deco, que reforça: "Não tem sido corrente, não. A maioria das pessoas não foi informada da retirada dos canais e estão insatisfeitas com o facto. Há 12 anos que as telecomunicações estão, de forma ininterrupta, no top das reclamações."

Ao CM, a Deco avança ainda que os assinantes têm direito a rescindir: "A situação coloca em causa os direitos e legítimos interesses dos consumidores, que não podem ser prejudicados se a sua opção for a de cancelar o contrato."
Ver comentários