Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media

Morte de George Floyd obriga bandas a mudar nome

The Dixie Chicks, Lady Antebellum ou Slaves são alguns dos vários grupos que quiseram eliminar referências racistas.
Sónia Dias 28 de Junho de 2020 às 10:11
The Dixie Chicks passaram a chamar-se apenas The Chicks
The Dixie Chicks passaram a chamar-se apenas The Chicks FOTO: Direitos Reservados
Os protestos contra o racismo nos Estados Unidos, motivados pela morte de George Floyd às mãos da polícia do Minnesota, estão a afetar profundamente a indústria do espetáculo. Na última semana foram várias as bandas que decidiram mudar os seus nomes de forma a libertarem-se de quaisquer conotações racistas.

Com mais de 30 anos de carreira e 13 Grammy, as Dixie Chicks passam agora a ser conhecidas apenas como The Chicks. A banda country anunciou a alteração na quinta-feira, com efeito imediato no seu website, Wikipédia e redes sociais. Tudo porque ‘Dixie’ é um termo utilizado para descrever os estados do Sul dos EUA.

A mesma decisão foi tomada pelos Lady Antebellum, agora Lady A, por ‘Antebellum’ ser uma expressão associada à escravatura sulista. Também os Slaves anunciarão novo nome no final do ano. Apesar da designação estar associada à luta contra as drogas, das quais se tornaram “escravos”, o grupo da Califórnia admitiu que pode ser problemática.

Mas não é só na música que se sente a mudança. Idris Elba, Viola Davis e Queen Latifah são rostos do movimento Hollywood4BlackLives, que conta com mais de 300 artistas e que pretende por fim ao “legado da supremacia branca” na indústria cinematográfica e que promete ser mais forte do que o #MeToo.

Negros com mais poder nos estúdios
O Hollywood4BlackLives exige o fim da presença de polícias nas gravações e a redução do orçamento destinado às autoridades de Los Angeles. O movimento pede ainda que os estúdios empreguem mais pessoas negras com poderes executivos, orçamentais e decisivos.

Mudanças também chegam à televisão
‘Os Simpsons’ vai deixar de ter atores brancos a dar voz a personagens negros. Hank Azaria e Harry Shearer são alguns dos atores que deixarão de emprestar a sua voz a bonecos como Carl Carlson, Bumblebee Man ou Dr. Hibbert. Já a atriz Jenny Slate anunciou que não irá mais interpretar Missy da série de animação da Netflix ‘Big Mouth’, enquanto que, em ‘Central Park’, da Apple TV, Kristen Bell vai deixar de dar voz a Molly.

SAIBA MAIS
25
de maio de 2020. A data marca o dia da morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, às mãos de um polícia branco em Minneapolis, nos Estados Unidos. O crime originou uma onda de protestos em todo o Mundo.

Estudo
Um estudo recente da UCLA mostrou que só 27,6% dos protagonistas de filmes em 2019 foram negros. Entre os realizadores das 146 produções com maior receita de bilheteira, a participação é apenas de 5,5%.
Ver comentários