Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
8

Trabalhadores da Impala ouvidos no Parlamento por ordenados em atraso há 10 anos denunciam "teia de sociedades" na editora

Segundo disse representante em audiência, há 174 trabalhadores à espera de receber créditos salariais num valor de quase 3 milhões de euros.
Correio da Manhã 24 de Fevereiro de 2021 às 21:44
Grupo Impala
Grupo Impala FOTO: Pedro Catarino

A administração da Impala foi acusada de manter ordenados em atraso desde 2011, estando 174 trabalhadores da editora à espera de receber créditos salariais num valor que chega aos 2,85 milhões de euros, assim como de ter "mascarado" as contas da empresa, assim como alegados "ordenados e privilégios" pagos à família do administrador, através de uma "teia de mais de uma dezena de sociedades" criadas à volta da editora.

As acusações partem dos trabalhadores que foram ouvidos em audiência na Assembleia da República, com o grupo de trabalho da Comissão de Trabalho e Segurança Social, esta terça-feira.

Luís Monteiro Pereira, representante dos trabalhadores da Impala, descreveu o alegado esquema, uma "fórmula para se esquivar ao pagamento de dívidas que foi acumulando e dos créditos salariais de dezenas de trabalhadores que foi despedindo ao longo dos anos". "Transferiu faturação do que é produzido pela Impala Editores (agora Descobrir Press), para outra empresa por ele detida a Euro Impala, agora Impala Multimédia. Esta segunda empresa faturou, entre outubro e dezembro de 2009, 120 milhões de euros sem ter um único funcionário. Desde 2012 a 2019, 156 milhões de euros, tendo no máximo 5 funcionários em simultâneo", acusou o representante, sublinhando que os mais de 200 funcionários da empresa se mantiveram na Impala Editores.

A alegada "teia de sociedades" criadas à volta da editora da Impala, que "não tem atividade que não seja prestar serviços, teve como objetivo, segundo Luís Monteiro Pereira, criar "uma falsa ideia de estabilidade financeira, de forma a "poder aceder sucessivamente a um Plano Especial de Revitalização". Desta forma, segundo explicou, foram "simuladas dificuldades financeiras além das reais na editora", permitindo retirar privilégios para a família da administração, "escondido dos credores".

Lamentando a realidade dos 174 trabalhadores da Impala que esperam que lhes seja pago o que é devido, "alguns à espera há mais de 10 anos", o representante dos trabalhadores diz que, aquando do último despedimento coletivo, no final de 2020, a comissão de trabalhadores expôs as alegadas irregularidades e, segundo o representante, "apresentou soluções", que não foram consideradas pela administração porque "não era do seu interesse".

Ao mesmo tempo, Luís Monteiro Pereira sublinha ainda que, na transformação do edifício-sede da Impala, houve investimento de centenas de milhares de euros "prontamente disponibilizados pela administração", apesar da situação financeira da empresa.

Euro Impala Parlamento Impala Editores Luís Monteiro Pereira economia negócios e finanças economia (geral)
Ver comentários