Barra Cofina

DECO alerta para três batons à venda que contêm substâncias cancerígenas

Associação de defesa do consumidor testou sete batons e não recomenda três.
Por Correio da Manhã 16 de Dezembro de 2019 às 12:55
Batom vermelho
Batom vermelho FOTO: Getty Images
Há três batons vermelhos, de marca e à venda em perfumarias, que contêm substâncias cancerígenas. O alerta parte da DECO que afirma que dos sete batons testados, três têm subtâncias que podem trazer efeitos negativos na saúde. 

Segundo o estudo da DECO, três - das marcas Avril, Kiko e Mac - dos sete batons testados possuem "MOAH (hidrocarbonetos aromáticos de óleos minerais)". Os batons da Kiko e Mac "também contêm MOSH e POSH em quantidades superiores às consideradas seguras, sendo que o primeiro nem cumpre as recomendações da própria indústria (Cosmetics Europe)". 

A associação de defesa do consumidor afirma que deu o alerta ao Infarmed, mas ressalva que "apesar de as quantidades de substâncias preocupantes serem inferiores às detetadas noutros testes a batons que efetuámos, ainda são motivo de preocupação".

O MOSH, o POSH e o MOAH - substâncias presentes nos batons - são componentes de óleos minerais derivados do petróleo.

"Os óleos minerais são usados nos produtos cosméticos, entre outros, como suavizantes, protetores da pele e reguladores da viscosidade. Apesar da sua utilidade, aqueles componentes despertam preocupações quando utilizados em batons. O mesmo vale para contaminantes como os metais pesados. Ingeridos, o que é um cenário real no caso dos batons, podem implicar risco de mutações genéticas e tumor", explica a DECO numa nota publicada no site da associação

A lei proíbe o recurso a metais pesados nos cosméticos. A única exceção é se for "tecnicamente impossível impedir a sua presença" e, neste caso, têm de ser cumpridas as boas práticas de fabrico.

Notícias Recomendadas
Coronavírus

Mutações podem tornar a Covid-19 mais perigosa?

O novo coronavírus está a mudar em todo o mundo, Portugal incluído. E a mudança de material genético não é necessariamente má: ajuda a conhecer de onde veio o vírus, para onde vai, com que rapidez muda e se está a mudar para melhor, ou pior.