Barra Cofina

Programa psicoterapêutico reduz sofrimento de mulheres com cancro da mama

Projeto Mind tem objetivo de melhorar a qualidade de vida de doentes oncológicos.
Por Lusa 23 de Novembro de 2020 às 11:04
Cancro da mama
Cancro da mama FOTO: Getty Images
Um programa de intervenção psicológica para contexto oncológico, desenvolvido na Universidade de Coimbra (UC), mostrou ser "eficaz na diminuição do sofrimento de mulheres com cancro da mama", anunciou esta segunda-feira aquela instituição.

O programa, elaborado no âmbito do doutoramento de Inês Trindade, investigadora do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC), combina técnicas de 'mindfulness' (atenção plena), aceitação e compaixão.

Denominado Mind, o projeto visa "promover uma autogestão emocional mais eficaz e, assim, melhorar o funcionamento psicossocial e qualidade de vida de doentes com cancro", afirma a UC, numa nota enviada hoje à agência Lusa.

Num estudo-piloto realizado com um grupo de mulheres com cancro da mama não metastático em tratamento no Serviço de Radioterapia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), o Mind teve "um efeito notável na melhoria da saúde psicológica das participantes", sublinha a UC.

A amostra foi constituída por 32 mulheres, distribuídas por dois grupos -- um grupo experimental e um grupo de controlo (doentes que não realizaram a intervenção).

No final das oito sessões previstas no programa Mind, com a duração de aproximadamente duas horas cada, "a saúde psicológica das mulheres com cancro da mama que realizaram a intervenção melhorou significativamente em comparação ao grupo de mulheres que não realizou o programa (grupo de controlo)", assinala Inês Trindade.

Também foram notadas melhorias na saúde física e qualidade das relações sociais e diminuição de sintomas de depressão e stresse.

Além disso, "as mulheres do grupo experimental relataram que o programa é muito útil para lidarem melhor tanto com a doença como com outras áreas de vida", sublinha a UC, referindo que estes resultados já publicados no Journal of Contextual Behavioral Science.

Esses resultados sugerem que "o programa Mind pode ser um complemento muito útil ao tratamento médico do cancro da mama, ajudando a melhorar a qualidade de vida e a saúde mental dessa população", sustenta, citada pela UC, a investigadora.

O cancro da mama é o segundo cancro mais comum e o mais frequente em mulheres.

Com o objetivo de otimizar o programa Mind, Inês Trindade, em conjunto com Helena Moreira, também do CINEICC, vai agora conduzir um novo estudo, com um maior número de participantes, tendo, para isso, obtido 245 mil euros de financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Este novo estudo vai permitir "realizar um ensaio clínico mais robusto e controlado e avaliar também o efeito do programa em marcadores fisiológicos (epigenéticos e inflamatórios), além das medidas psicológicas, relacionadas com saúde mental e adaptação à doença, assim como o custo-efetividade (ganhos económicos) do programa", destaca a investigadora do CINEICC.

Designado "Mind programme for cancer patients: A randomized controlled trial testing the programme´s cost-effectiveness and efficacy in changing psychological and biological outcomes in women with breast cancer", o novo estudo tem a duração de três anos.

Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Como combater os efeitos do frio na pele

Com a descida das temperaturas, estes são os conselhos especializados para a perda de hidratação – e todas as restantes desgraças que afetam a pele no inverno.