Barra Cofina

Novo medicamento é capaz de eliminar vestígios da Sida no organismo humano

Sem medicação, pessoas com sida conseguem sobreviver cerca de três anos.
Por Lusa 23 de Junho de 2020 às 16:46
HIV/SIDA
HIV/SIDA
HIV/SIDA
HIV/SIDA
HIV/SIDA
HIV/SIDA
Cientistas nos Estados Unidos criaram um medicamento que é capaz de ajudar a eliminar os últimos vestígios do VIH "escondidos" no organismo humanos, ativando-os sem causar uma resposta avassaladora do sistema imunitário.

O Ciapavir afigura-se como uma cura funcional para as pessoas infetadas com o VIH usando a técnica "choque e morte", acordando o vírus latente sem estimular uma resposta imunitária que pode ser fatal e atacando-o depois com anticorpos capazes de o neutralizar ou com células imunitárias modificadas que destroem as que estão infetadas.

"Tentativas anteriores de usar a técnica 'choque e morte' usavam medicamentos para outros fins adaptados e não resultaram na reativação do VIH latente, afirmou a investigadora Rowena Johnston, da Fundação para a Investigação da Sida.

Na investigação publicada hoje na revista científica Cell Reports Medicine, o Ciapavir foi dado a ratinhos infetados com VIH e o tratamento aumentou os níveis do vírus no sangue e na medula óssea, mas com uma ativação imunitária muito reduzida.

A próxima fase será experimentar o Ciapavir em primatas e fazer estudos toxicológicos para garantir que o medicamento está pronto para ser testado em seres humanos.

A terapia antirretroviral aumentou para décadas a expectativa de sobrevivência das pessoas com VIH, conseguindo-se que muitos doentes vivam tanto como a população em geral.

Mas o vírus da imunodeficiência humana consegue "esconder-se" no corpo humano e quem fica infetado nunca se consegue livrar completamente dele, precisando de tomar medicação para o resto da vida para desativar o vírus.

Estima-se que 30 por cento dos pacientes não cumpra a medicação de que precisa, o que faz aumentar o risco de o VIH progredir para a sida, o último grau de infeção e a resistência do vírus aos tratamentos.

Mais de 37,9 milhões de pessoas em todo o mundo estão infetadas com o VIH, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

O vírus infeta as células T CD+4 do sistema imunitário humano, que é destruído à medida que a infeção progride, tornando as pessoas mais vulneráveis a outras infeções e doenças.

Sem medicação, as pessoas com sida conseguem sobreviver cerca de três anos.

Notícias Recomendadas
Coronavírus

Mutações podem tornar a Covid-19 mais perigosa?

O novo coronavírus está a mudar em todo o mundo, Portugal incluído. E a mudança de material genético não é necessariamente má: ajuda a conhecer de onde veio o vírus, para onde vai, com que rapidez muda e se está a mudar para melhor, ou pior.