Barra Cofina

Fumar na rua pode não ser decisivo para transmissão do coronavírus

Estudos científicos são ainda inconclusivos sobre o papel dos fumadores na disseminação do Covid-19.
Por Pedro Rodrigues Santos 18 de Agosto de 2020 às 16:25
Fumadores poder ser ostracizados pela sociedade devido ao coronavírus
Fumadores poder ser ostracizados pela sociedade devido ao coronavírus FOTO: Getty Images

A braços com um aumento exponencial de infetados por coronavírus nas últimas semanas por todo o país, a Espanha restringiu ainda mais as regras na sexta-feira, proibindo fumar na rua se um distanciamento físico de dois metros não for respeitado.

Vários investigadores, no entanto, estão céticos sobre os riscos de transmissão do Covid-19 pelo fumo do cigarro, numa altura em que vários governos europeus estão a analisar a aplicação nos seus países, Portugal incluído.

Aliás, num movimento iniciado quinta-feira no arquipélago espanhol das Canárias e na Galiza, vários países africanos e do Médio Oriente estão a levar à letra estas precauções, restringindo o hábito de fumar em espaços públicos exteriores em determinadas condições.

Gotículas e aerossóis podem ser determinantes

Uma primeira razão apresentada para justificar a medida decidida pelo governo espanhol deve-se à necessidade de ter-se de retirar a máscara para fumar.

Esse facto priva pontualmente o fumador de uma proteção que é considerada obrigatória em vários espaços públicos.

A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) já tinha alertado para a vulnerabilidade dos fumadores quando levam o cigarro à boca, aumentando a possibilidade de transmissão do coronavírus através dos dedos.

A segunda justificação para interditar fumar na rua está relacionada com a maneira como o Covid-19 pode ser transmitido.

Um fumador inala e expele ar de uma forma muito mais profunda do que um não-fumador, algo que ganha particulares riscos quando se sabe que a transmissão do coronavírus também pode ser feita por gotículas ou por aerossol.

"São microgotas muito pequenas que podem ficar suspensas no ar durante várias horas, mesmo que depois elas acabem por cair no solo", explicou ao Le Parisien o virologista Yves Gaudin, do Instituto de Biologia Celular Integrativa de Paris-Saclay.

Aliás, vários estudos científicos comprovam que há maiores riscos de disseminação do Covid-19 por via aérea, através de gotículas, do que por contacto físico, entre outros fatores de transmissão.

Não querem estas investigações dizer que os fumadores são um alvo a abater mas também é verdade que vários especialistas temem que sejam particularmente perigosos, se não souberem que estão infetados.

Já em junho, a Sociedade Espanhola de Epidemiologia tinha exigido ao governo liderado por Pedro Sánchez para proibir o fumo ao ar livre devido ao risco de os fumadores assintomáticos poderem emitir gotículas contaminadas.

Fumadores alvo de ostracização?

Embora o pânico não esteja instalado, os fumadores podem estar a braços, pelo menos em Espanha, com mais um fator de ostracização pela sociedade.

Como refere o matutino francês, nenhum estudo científico confirmou o risco de contaminação pelo fumo do cigarro, especialmente quando o risco de transmissão por aerossol é mais propício em ambientes fechados.

Fernando Garcia, do Centro Nacional de Epidemiologia espanhol, confirmou à agência France Presse que "não há informações científicas suficientes para demonstrar que o fumo do tabaco possa transmitir o coronavírus em ambiente aberto".

"A decisão de proibir o fumo nas ruas parece-me algo precipitada", afirmou Stéphane Gayet ao Le Parisien, com o infecciologista do Hospital Universitário de Estrasburgo a crer que mais nenhum outro país europeu irá seguir o exemplo de Espanha.

A mesma opinião não é partilhada por Carole Dufouil, diretora-adjunta da Escola de Saúde Pública de Bordéus.

Para a epidemiologista gaulesa, tudo o que possa travar a disseminação do coronavírus deve ser tida em conta, mas também sublinha que é do interesse de todos que se saiba o mais depressa possível como ele é transmitido pelo fumo do cigarro.

Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Como combater os efeitos do frio na pele

Com a descida das temperaturas, estes são os conselhos especializados para a perda de hidratação – e todas as restantes desgraças que afetam a pele no inverno.