Barra Cofina

Intolerância alimentar: O que é, quais os sintomas e como tratar

Bem-estar passa pela redução das quantidades ingeridas ou mesmo supressão de alimento visado.
Por João Saramago 1 de Março de 2020 às 01:30
Lactose, substância existente no leite, é o exemplo mais frequente de intolerância alimentar
Lactose, substância existente no leite, é o exemplo mais frequente de intolerância alimentar FOTO: Getty Images

A intolerância alimentar consiste no desconforto provocado pelo consumo de um determinado alimento. Nos adultos o exemplo mais comum de dificuldade na digestão é a lactose, substância existente no leite.

O desconforto provocado manifesta-se em perturbações gastrointestinais, como dores ou cólicas abdominais, flatulência, obstipação, diarreia, cólon irritável, aftas e acidez. Ocorrem também perturbações ao nível da pele, psicológicas e respiratórias.

Existem diferenças entre a intolerância alimentar e as alergias alimentares . A Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas, em Lisboa, revela que as alergias alimentares são reações alimentares adversas por falha no sistema imunitário. Estas alergias ocorrem ao ser consumido determinado alimento, por exemplo, pão ou ovos, e são mais agressivas que a intolerância, podendo mesmo ser fatais.

Diferentes são as intolerâncias alimentares. Segundo a mesma entidade são reações adversas reprodutíveis aos alimentos que não envolvem o sistema imunitário e podem resultar, por exemplo, de défice de enzimas, como o caso da intolerância à lactose causada pelo défice da enzima lactase.

Há diferentes graus de intolerância, podendo mesmo ser assintomática (não apresenta sintomas). No sentido de aliviar o desconforto, o médico limita o consumo a pequenas quantidades ou interdita o alimento responsável na dieta do doente.

SINTOMAS
Dor abdominal
A dor no estômago ocorre sobretudo porque o corpo não consegue digerir corretamente a comida. A dor é mais intensa pouco tempo depois de ter começado a comer o alimento perturbador, mas pode prolongar-se por toda a digestão.

Dor de cabeça
A dor de cabeça pode ser resultado da ingestão de um alimento intolerado pelo organismo, isto porque a inflamação do intestino interfere com a produção de vários neurotransmissores.

Cansaço
A inflamação constante do intestino e do corpo conduz a um maior gasto de energia. O esforço provocado resulta numa sensação de cansaço, por vezes excessivo.

Barriga inchada
O sistema digestivo, quando não está a digerir completamente a comida, leva ao inchaço da barriga, isto porque os restos alimentares estão a fermentar no intestino. Isto provoca uma acumulação de gases.

MAIOR RISCO
Retirar alimento
Identificado o alimento que provoca dificuldades na digestão, este é retirado da dieta alimentar. Depois, o médico pode tentar reintroduzir novamente o alimento na dieta. É um processo demorado que tem início com pequenas quantidades, para verificar a que nível os sintomas voltam a aparecer.

Alimentos mais visados
Os alimentos mais prováveis de causar intolerância são por regra os mesmos das alergias alimentares: ovo, leite, crustáceos, glúten, chocolate, amendoim, nozes, tomate, morango e os conservantes e corantes utilizados em produtos industrializados.

COMO SE TRATA
O diagnóstico para determinar o alimento a que o organismo é intolerante é complexo, sendo necessárias três fases de avaliação. Primeiro, é realizado um historial do doente, com foco nos sintomas mais frequentes.

Em segundo lugar, é elaborado um diário alimentar, onde são anotados todos os alimentos que foram ingeridos e os sintomas que surgiram durante uma a duas semanas.

Por fim, ocorre a fase de exames de sangue, para avaliar se há alterações do sistema imune que caracteriza a presença de alergias e não de intolerância.

CONSELHOS PARA O CORAÇÃO
Pessoas mais felizes tendem a dormir melhor, comer melhor, fumar menos e a fazer mais exercício e todas essas coisas reduzem o risco de doença cardíaca. Faça pelo menos 15 a 20 minutos por dia de algo agradável e relaxante.

Sorria e ria mais. Expresse gratidão regularmente. Pratique ser otimista. Participe em atos de bondade. Visualize o melhor que há em si. Saboreie eventos alegres. A prática regular do exercício, a atividade sexual (o amor) e um bom sono estão associados a aumento da felicidade. Combata a solidão.

As pessoas que são mais isoladas, são menos felizes. Não basta termos muitos ‘likes’. O que conta é a qualidade das relações. A família, os amigos e a comunidade são muito importantes para a saúde e bem estar das pessoas. 

Notícias Recomendadas
Família

As mais incríveis histórias de partos

Há quem tenha os filhos em casa, quem não passe sem o conforto da maternidade ou quem opte por métodos alternativos. E há depois as que não têm escolha. Mães coragem, capazes de enfrentar a fúria da natureza ou de levar de vencida o terror da guerra. São histórias destas que aqui contamos. As delas e as de quem as ajudou, em condições extremas, a trazer uma nova vida ao mundo.