Barra Cofina

Dor menstrual é o principal sintoma da endometriose

Diagnóstico da doença pode demorar anos, uma vez que há médicos que desvalorizam os sinais de alerta.
Por Francisca Genésio 21 de Dezembro de 2019 às 01:30
Endometriose
Endometriose
Endometriose
Endometriose
Endometriose
Endometriose
Dor menstrual e dificuldade em engravidar. São os dois sinais que mais levam as mulheres a uma consulta de ginecologia. O diagnóstico da endometriose - doença crónica caracterizada pela presença de tecido endometrial fora da cavidade uterina - é facilmente confundido com outras doenças. Por esta razão, detetar a doença pode ser um processo difícil e, na maioria das vezes, demorar anos.

"Há mulheres que passam uma vida inteira a tratar infeções urinárias ou síndrome de cólon irritável que não o são.Muitas vezes, já passaram por mais de cinco ou seis médicos, sem que nenhum tenha valorizado a sua dor", explica ao Correio da Manhã a coordenadora do Centro Especializado em Endometriose do Hospital Lusíadas Lisboa, Fátima Faustino.

As estimativas apontam para que uma em cada 10 mulheres em idade reprodutiva possa ter endometriose. As estatísticas aumentam para mulheres com histórico de dor crónica e/ou infertilidade: a probabilidade é de 30 a 50 por cento. Por se tratar de uma doença crónica, não existe cura. Há, no entanto, tratamento, que ajuda a reduzir a sintomatologia. As opções passam por terapêutica hormonal (pílula) ou até cirurgia.

O MEU CASO
Manuela está grávida
Manuela Belchior teve os primeiros sintomas de endometriose aos 17 anos, mas o diagnóstico só foi feito no ano passado. "Aos 31 decidi que queria ser mãe e, ao parar a pílula, os sintomas voltaram", conta ao CM. Foi a médica Fátima Faustino quem a diagnosticou. Seguida por uma equipa multidisciplinar nos Lusíadas, teve de ser operada. "Retiraram-me a trompa esquerda e 15 centímetros de intestino", relembra. Manuela recorreu a um tratamento de Fertilização In Vitro e está grávida.

DISCURSO DIRETO
Fátima Faustino, ginecologista nos Lusíadas
CM - O que causa a endometriose?
Fátima Faustino -
A evidência diz-nos que uma mulher que tenha uma mãe ou irmã com endometriose tem seis vezes maior probabilidade de vir a ter a doença, devido a um fator genético identificado. Porém, os fatores genéticos são potenciados por outros: hormonais, imunológicos e ambientais.
– A doença causa inchaço?
– É frequente esta queixa, sobretudo quando há compromisso intestinal seja por aderências ou por focos na parede do intestino.

PORMENORES
Dor em relações sexuais
A dor da endometriose tem um forte impacto na vida de uma mulher, podendo tornar-se, nos casos mais graves, incapacitante. De acordo com os especialistas, à medida que a dor se intensifica a terapêutica hormonal deixa de fazer efeito. Há mulheres que relatam dor durante as relações sexuais.

Prevenção da doença
Os médicos defendem que não é possível prevenir a endometriose. A probabilidade de desenvolver a doença pode, contudo, ser diminuída através de uma redução dos níveis de estrogénio no organismo, escolhendo a contraceção mais adequada.
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Saúde de A a Z

Iniciativas na luta contra o cancro da mama que fazem a diferença

Outubro é o mês de sensibilização na Luta Contra o Cancro da Mama. Juntámos algumas iniciativas para apoiar uma a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de uma doença que é de todos, pois afeta homens e mulheres, e em última instância as famílias.