Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida

Aldeia da Mata Pequena recorda os anos 50 do século passado

O regresso ao passado do cinema é virtual. A real viagem no tempo acontece quando visitamos a aldeia da mata pequena. Fica perto de Mafra.
Secundino Cunha 26 de Janeiro de 2018 às 09:00
Aldeia da Mata Pequena
As casas antigas, devidamente recuperadas, formam a mais bela aldeia da região saloia. Fica a apenas dez quilómetros de Mafra
A mesa, de gavetas fundas, pontifica no centro da cozinha rodeada por seis bancos
Da sala para a cozinha trepam-se quatro degraus em pedra. Decoração com objetos antigos, como pratos ou alguidares metálicos
Mobiliário dos quartos é o que se usava na década de 50 do século passado
Aldeia da Mata Pequena
As casas antigas, devidamente recuperadas, formam a mais bela aldeia da região saloia. Fica a apenas dez quilómetros de Mafra
A mesa, de gavetas fundas, pontifica no centro da cozinha rodeada por seis bancos
Da sala para a cozinha trepam-se quatro degraus em pedra. Decoração com objetos antigos, como pratos ou alguidares metálicos
Mobiliário dos quartos é o que se usava na década de 50 do século passado
Aldeia da Mata Pequena
As casas antigas, devidamente recuperadas, formam a mais bela aldeia da região saloia. Fica a apenas dez quilómetros de Mafra
A mesa, de gavetas fundas, pontifica no centro da cozinha rodeada por seis bancos
Da sala para a cozinha trepam-se quatro degraus em pedra. Decoração com objetos antigos, como pratos ou alguidares metálicos
Mobiliário dos quartos é o que se usava na década de 50 do século passado
As treze casas da rua de S. Francisco de Assis formam o mais tradicional lugar da região saloia: a Aldeia da Mata Pequena.

Apesar de se situar a apenas uma dezena de quilómetros da vila de Mafra, quem lá for sente-se, inevitavelmente, longe no tempo e no espaço.

Graças a uma notável ideia e ao arrojo de um jovem casal, Ana e Diogo Batalha, as casas estão todas recuperadas, mantendo a traça antiga, mas assegurando o conforto exigido nos nossos dias.

Trata-se, deve dizer-se, de uma forma diferente de fazer turismo. Pelas 9h00, o ‘padeiro’ deixa o pão pendurado na porta. Pão de Mafra, ainda quente, acabado de cozer em forno a lenha, na localidade. O resto do que compõe o pequeno-almoço está na velha mesa que ocupa o centro da cozinha.

Uma hora depois, pelas 10h00, o momento do delírio dos mais pequenos, aquele em que Diogo pede ajuda para dar de comer aos animais: galinhas, patos, coelhos, cabras, ovelhas, dois burros, um ganso e um porco. Ninguém fica indiferente e todos gostam.

As camas de ferro, cercadas de cadeiras de palhinha e velhos aparadores, conferem o romantismo dos tempos passados. E as louças, a lareira e a decoração fazem o resto. É um lugar que vale a pena.
Aldeia da Mata Pequena Mafra aldeamento turístico viagem destinos destino
Ver comentários