Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
3

Casta grega atinge grande nível em Itália

Joe Berardo provou um Greco di Tufo e pediu aos colaboradores para instalarem cá uma vinha.
Edgardo Pacheco 25 de Setembro de 2018 às 14:50
Quinta da Bacalhôa
Quinta da Bacalhôa
Quinta da Bacalhôa
Quinta da Bacalhôa
Quinta da Bacalhôa
Quinta da Bacalhôa
Lá pelo facto de Portugal ser um dos países com mais castas autóctones em produção (em competição com Itália) isso não significa que os consumidores rejeitem variedades de uva estrangeira produzidas cá na terra. Tal contribui para a nossa cultura geral e, por vezes, até acentua um certo brio pelo que é nosso.

A casta Greco di Tufo é, hoje, italiana, mas na realidade tem origem na Grécia. Foi daqui, no séc. VIII a.C., que a casta se disseminou por diferentes territórios italianos, fixando-se na região da Campania, onde encontrou o seu solário perfeito.

Ora, certo dia, e de passagem por Itália, Joe Berardo - dono da Bacalhôa Vinhos - provou um branco Greco di Tufo e ficou tão deleitado com o vinho que pediu aos seus colaboradores para instalarem uma vinha com a casta na região da Península de Setúbal.

Do ponto de vista histórico, muitas castas estrangeiras acabam por chegar a Portugal porque há viticultores que se apaixonam por vinhos diferentes e, depois, querem ter o prazer de os fazer por cá. Umas vezes as coisas funcionam, outras, nem tanto. Umas vezes - e com o tempo - a casta acaba por ser autorizada para vinhos DOC ou vinhos regionais, outras é pura e simplesmente esquecida.

Seja como for, no caso da Greco di Tufo foi uma boa ideia do comendador Berardo porque a casta dá um vinho algo exótico e curioso com os seus aromas de frutos, mel e flores brancas, com umas nuances cromáticas alaranjadas.

O interessante é provarmos este branco português e depois compará-lo com outros produzidos em Itália, por regra mais secos. Isso fará muito bem à nossa edução vínica, que é só o que interessa. 

Queijo de cabra, tomate, coentros ou figos
Pelo seu caráter exótico e sedoso na boca este é um vinho que se bebe numa esplanada (com um copo decente, se não for pedir muito).

Mas se a ideia for usá-lo como entrada, nesse caso ligará bem com um queijo fresco e - num nível mais guloso - com uns figos frescos.
Portugal Campania Tufo Itália VIII Grécia a.C. Bacalhôa Vinhos Joe Berardo Península de Setúbal DOC
Ver comentários