Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida

Vinho tinto Unoaked cheira a Touriga

Quem quiser sentir a que sabe a casta tinta tem uma boa solução com este Falua Unoaked.
27 de Dezembro de 2018 às 10:00
As notas de violeta e de frutos maduros estão por todo o lado
As notas de violeta e de frutos maduros estão por todo o lado FOTO: Direitos Reservados
Aos poucos a moda pega. Depois de alguns excessos de utilização de madeiras de estágio nos vinhos, vários produtores apercebem-se da mais-valia da apresentação de vinhos sem passagem pelas barricas de carvalho. Para determinada gama de vinhos, é uma boa ideia.

Como é evidente, nesta história há uma clara vontade de cavalgar a onda como estratégia de marketing, até porque o custo de uma barrica nova no preço final será de 2 € por garrafa. Nos tempos em que as margens são curtas, é dinheiro.

Todavia, isto não significa que devemos demonizar o papel da barrica nos vinhos. Se é possível fazer um grande vinho branco sem madeira, o mesmo já é quase impossível para um vinho tinto. Um tinto precisa sempre de viver alguns anos dentro de uma pipa de madeira.

Ora, depois da venda da Falua por João Portugal Ramos ao grupo francês Roullier, no ano passado, os primeiros vinhos da região do Tejo a chegarem ao mercado são um branco e um tinto Falua (o primeiro de 2017 e o segundo de 2015), ambos sem madeira. O tinto Unoaked interessa-nos porque acaba por ter uma componente didática, visto que podemos aqui sentir todos os aromas primários da casta Touriga Nacional.

Para imperadores
Vamos agora imaginar que é preciso dar a alguém um chá de elevada qualidade. Pois este chá Amarelo, da empresa Chá Camélia, é capaz de ser uma boa solução. No mundo complexo dos chás, a categoria chá amarelo era aquela que se oferecia aos imperadores chineses, tal era a sua qualidade e raridade.

Como se trata de folhas e brotos que sofreram um subtil aquecimento num wok, o chá ganha algumas notas muito curiosas, a fazer lembrar de certa forma o chá branco, mas aqui com aromas mais acentuados de ervas secas e uma boca muito aveludada. Ficará muito bem a acompanhar uma fatia de um bolo de Natal.

Caldeirada de bacalhau
Como os brancos portugueses mudaram muito de perfil – estão polivalentes – quase já nem aceitamos a ideia de acompanhar peixe com tintos. Mas aqui recomendamos uma caldeirada de bacalhau para ligar com este tinto. O tomate e a Touriga Nacional farão, neste caso, boa ligação.
Ver comentários