Barra Cofina

Correio da Manhã

C Studio
2
C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Parar a dermatite atópica para que ela não nos pare

Comichão, dor, ansiedade: tudo isto são consequências comuns da dermatite atópica, uma doença capaz de travar uma vida normal. Mas não tem de ser assim. Até 16 e outubro, um grupo de enfermeiras especializadas está em Coimbra para conduzir rastreios de pele gratuitos e divulgar mais informação sobre a dermatite atópica.
15 de Outubro de 2021 às 15:33

O prurido que insiste em não desaparecer, o desconforto provocado pela pele seca e gretada, o constrangimento de apresentar uma pele pouco saudável, são alguns aspetos bem conhecidos de quem sofre de dermatite atópica, uma doença crónica que não só afeta o corpo mas também com impacto psicológico, devido ao forte impacto que tem na vida e no bem-estar de quem dela sofre. Mas se esta é uma doença ainda sem cura, há tratamentos que podem ajudar a acalmar e prevenir crises, melhorando a qualidade de vida de quem lida com a dermatite atópica na primeira pessoa.

A verdade é que embora afete 15 a 20% das crianças e 2 a 8% dos adultos em todo o mundo, nem sempre quem sofre de dermatite atópica tem conhecimento do seu diagnóstico. Por ser uma doença crónica inflamatória da pele, muitas vezes os sintomas podem ser confundidos com alergias ou outras doenças dermatológicas, sendo fundamental a consulta de um profissional para confirmar o diagnóstico e poder iniciar o tratamento.


A que sinais devemos estar atentos?

A dermatite atópica é caracterizada por inflamação, comichão, secura extrema com descamaçãoe e com gretas e/ou vermelhidão.

A patologia afeta indivíduos de todas as idades, e locais onde as lesões de eczema se desenvolvem tendem a ser diferentes consoante a faixa etária. Nas crianças até aos 3 anos, é no rosto, couro cabeludo, cotovelos e joelhos que os sintomas são predominantes. Já na faixa dos 2 aos 12 anos, as zonas mais afetadas costumam ser o pescoço, zonas flexoras, braços, pernas, punhos e tornozelos. E, no caso dos adultos, são sobretudo a face, pescoço, tronco, punhos, mãos e pés que concentram os sintomas – e desconforto – da dermatite atópica.

O resultado é um círculo vicioso, já que sabemos que quanto mais coçamos uma lesão de eczema, maior a probabilidade de agentes irritantes, como vírus, bactérias e poluentes, entrarem na pele e agravarem a comichão – que é extremamente difícil resistir.




O lado invisível da dermatite atópica

Não é só a dor e desconforto da dermatite atópica que fazem desta doença um verdadeiro desafio. A autoestima, sobretudo quando as lesões de eczema se concentram nas partes mais visíveis do corpo, também pode ser profundamente afetada. E mesmo as tarefas do dia a dia podem acabar dificultadas devido à doença, incluindo o próprio sono, levando a sentimentos de frustração, ansiedade e depressão - na verdade, um estudo da National Eczema Association, publicado em 2017, concluiu que cerca de um terço das pessoas diagnosticadas com dermatite atópica apresentava também diagnóstico de depressão e/ou ansiedade1.

É por isso que é fundamental interromper o círculo vicioso de manifestação da dermatite atópica, adotando algumas medidas que passam também pela aplicação de produtos específicos destinados a acalmar e prevenir as crises desta doença.


Proteger, acalmar e cuidar: o corpo e a mente

As mais recentes recomendações internacionais apontam para a proteção diária da pele como fator fundamental para controlar a dermatite atópica.

Adequado mesmo para a pele sensível dos bebés, Bepanthen SensiControl® é um dermocosmético especialmente indicado na proteção da pele com tendência atópica, ajudando-a a manter-se saudável, todos os dias, graças à sua fórmula que combina um prebiótico, que apoia e estimula uma microflora da pele saudável, óleos naturais que protegem a pele da secura, uma tecnologia especial de lípidos que fortalece a barreira natural da pele e ainda humectantes fisiológicos que proporcionam uma hidratação prolongada e protegem diariamente.

Combinado com algumas medidas de prevenção, como evitar banhos demasiado quentes e prolongados, usar produtos de limpeza suaves e dar preferência a roupas em fibras naturais, Bepanthen SensiControl® pode ser um precioso aliado para quem tem pele com tendência atópica.


São medidas e soluções como estas que, a par de rastreios de pele gratuitos, viajam pelo País até dia 16 de outubro, com a iniciativa Roadshow Bepanthene 2021. Depois de Lisboa, Faro, Porto e Braga, onde a ação decorreu com uma ótima receção e participação do público, segue-se Coimbra (Fórum Coimbra, 14 a 16 de outubro). Para que a dermatite atópica não pare ninguém pelo caminho.




Roadshow Bepanthene 2021

Até 16 de outubro, o Roadshow Bepanthene 2021 leva um grupo de enfermeiras especializadas a cinco cidades de norte a sul do País para conduzir rastreios de pele gratuitos e divulgar mais informação sobre a dermatite atópica. Fixe a próxima data:

  • Coimbra, Fórum Coimbra. 14 - 16 outubro




1 https://nationaleczema.org/nea-press-release-10-26-17/