Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
5
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Educação ambiental também é uma preocupação

A mais recente campanha contra o desperdício vem alertar os consumidores algarvios para a necessidade de poupar água
16 de Agosto de 2021 às 10:28
Teresa Fernandes, responsável de comunicação e educação ambiental da Águas do Algarve
Fotografia aérea da ETAR de Faro-Olhão – Caso de estudo do projeto WATERMINING - Horizonte 2020
Teresa Fernandes, responsável de comunicação e educação ambiental da Águas do Algarve
Fotografia aérea da ETAR de Faro-Olhão – Caso de estudo do projeto WATERMINING - Horizonte 2020
Teresa Fernandes, responsável de comunicação e educação ambiental da Águas do Algarve
Fotografia aérea da ETAR de Faro-Olhão – Caso de estudo do projeto WATERMINING - Horizonte 2020

O desperdício de água é um dos maiores problemas do mundo atual. Em Portugal, cerca de 3100 milhões de m3 de água são desperdiçados por ano, o que corresponde a 41% da procura total deste bem essencial. O problema "tem-se agravado nas últimas décadas e, nomeadamente no Algarve, regista-se já um risco concreto de escassez de água, fruto das alterações climáticas e da escassez de chuva na região", explica Teresa Fernandes. A responsável de comunicação e educação ambiental da Águas do Algarve (AdA) fala ainda "no estilo de vida e hábitos de consumo da população que potenciam elevadas taxas de desperdício". Ora, para que a água não falte nas nossas torneiras "num futuro mais próximo do que imaginamos, é urgente proceder a uma profunda alteração das nossas rotinas e a uma significativa redução dos consumos, para as quais a educação e a formação ambiental, através de campanhas informativas, são fundamentais", diz.

Esta área da educação ambiental "faz parte do ADN da Águas do Algarve, desde a sua génese, e tem vindo gradualmente a evoluir, acompanhando o desenvolvimento da empresa". Assim sendo, esta é uma área da mais elevada responsabilidade, "e que passa por todos os setores da empresa, e em todas as atividades que desenvolvemos". A empresa tem consciência "daquele que pode e deve ser o contributo também na formação de consumidores mais conscientes, mais bem informados e mais ativos na consolidação das melhores práticas ambientais".

O facto de a empresa estar presente em todos os 16 municípios da região tem permitido dinamizar diversos projetos de sensibilização, "envolvendo e responsabilizando os cidadãos em questões como a preservação dos recursos hídricos, a importância da qualidade e da disponibilidade da água para a vida em sociedade, o seu uso eficiente e reutilização, e a aplicação de boas práticas ambientais, em concertação com aquelas que são também as orientações para uma economia que se pretende cada vez mais circular", diz ainda Teresa Fernandes.

Muito há ainda por fazer pelo que "a nossa contribuição para a mudança de mentalidades e de hábitos, para a criação de consciências coletivas e individuais, mais amigas do ambiente, deve ser uma missão assumida e partilhada por todos, enquanto empresas e especialmente enquanto indivíduos dotados de inteligência".

Teresa Fernandes lembra que "a região algarvia poderá enfrentar uma grave situação de stress hídrico já nos próximos anos e só uma real mudança nos nossos hábitos enquanto consumidores pode travar esta realidade".

Desperdiçar hoje é faltar amanhã

Desde sempre que as questões ambientais estão presentes na estratégia de desenvolvimento da Águas do Algarve. Importa reforçar o esforço contínuo que é efectuado na vertente da comunicação e sensibilização dos consumidores para as questões associadas ao desenvolvimento sustentável e consequente consciência ecológica. Destaque para as campanhas de sensibilização para o uso eficiente da água que a empresa promove ao longo de todo o ano, adaptando-as às circunstâncias e diferentes públicos-alvo. É o caso da campanha que se está agora a iniciar na região sob o mote "Desperdiçar hoje é faltar amanhã".

Águas tratadas, qualidade garantida

A Águas do Algarve, S.A., tem como missão, garantir o abastecimento de água para consumo humano e o tratamento de águas residuais de acordo com os mais elevados padrões de qualidade e fiabilidade, num quadro de sustentabilidade económica, social e ambiental. A totalidade dos investimentos já efectuados no Sistema de Águas e de Saneamento aproxima-se dos 700 milhões de euros.

O Sistema de Abastecimento de Água em alta permite captar, tratar e fornecer em alta, com carácter permanente, água para consumo humano, assegurando elevados níveis de qualidade mediante a implementação de tecnologias avançadas de tratamento e com um rigoroso controlo e monitorização dos processos. A eficiência e resiliência deste sistema é fundamental para o Algarve e um fator decisivo para o dinamismo socioeconómico, sendo que a garantia de elevados padrões de qualidade da água para o abastecimento público, constitui um critério diferenciador para a indústria do turismo, que é a atividade económica predominante. Durante o ano 2020 o Sistema forneceu aos municípios 68 208 781 m3 de água, representando um caudal médio diário de água fornecida de 186 363 m3/dia sendo que o ano que mais água forneceu foi em 2019, num total de 74 132 668 m3 de água. O Sistema é caracterizado por forte sazonalidade no abastecimento público de água, com um fator de ponta de 1,54 no mês de agosto.

As ETA que integram o Sistema são as ETA de Alcantarilha, ETA de Tavira, ETA de Fontainhas e ETA de Beliche.

O Sistema de Saneamento de Águas Residuais da região permite recolher, tratar e devolver ao meio ambiente, assegurando elevados níveis de qualidade das águas rejeitadas através do recurso a tecnologias avançadas de tratamento e um exigente controlo e monitorização dos processos. A eficiência deste sistema é determinante para o Algarve, na medida em que contribui para as exigências ambientais e de tratamento das águas residuais, para a qualidade dos meios recetores, nomeadamente as zonas sensíveis e a água balnear, que se constitui numa realidade crescente para a atribuição de "bandeira azul" e "Qualidade de Ouro" das praias, essencial à principal atividade económica da região.