Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
8
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Número de alunos do ensino e formação profissional no Erasmus+ está a crescer

Formandos portugueses aderem cada vez mais à mobilidade internacional
18 de Junho de 2021 às 10:51
Ana Cristina Perdigão, diretora da Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação
Ana Cristina Perdigão, diretora da Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação

O programa Erasmus+ apoia o desenvolvimento educativo, profissional e pessoal das pessoas nos domínios da educação e formação, da juventude e do desporto, na Europa e nos países parceiros, contribuindo para o crescimento sustentável, o emprego e a coesão social, bem como para estimular a inovação e reforçar a identidade europeia e a cidadania ativa. O programa é fundamental para apoiar a criação de um Espaço Europeu da Educação 2025 (EEA 2025), tendo como meta triplicar o número de participantes no Erasmus.

O Erasmus+ abrange quatro setores de educação e formação. Um destes é o Ensino e Formação Profissional. Por isso, quisemos saber se existem, hoje, mais alunos de cursos e escolas de formação profissional a estudar no estrangeiro ao abrigo do programa.

Ana Cristina Perdigão, diretora da Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação (ANE+EF), responde que "o número de alunos do ensino e formação profissional que participam no programa tem vindo a crescer de forma constante, acompanhando a adesão positiva dos portugueses e concretamente dos públicos mais jovens à mobilidade internacional para fins de aprendizagem". Segundo a responsável da ANE+EF, pode assumir-se que o programa se integra de forma sinérgica nos projetos de educação e formação profissional, através das entidades beneficiárias que os promovem.

"Estima-se que, desde 2007, mais de 24 mil alunos de instituições portuguesas do ensino e formação profissional (EFP) tenham beneficiado da participação no programa", informa Ana Cristina Perdigão. A ANE+EF explica que, neste período, o número de formandos abrangidos mais que duplicou: se entre 2007-2013 totalizavam quase 8 mil, na última geração do Erasmus+ (2014-2020) são cerca de 17 mil os jovens portugueses a participar num estágio de formação internacional ao abrigo do Erasmus+, numa média de mais de 2.400 participantes por ano, esperando-se a manutenção desta tendência positiva no novo programa (2021-2027).

A estratégia para estagiar e aprender no estrangeiro

No que diz respeito à estratégia de futuro da ANE+EF para que os alunos das escolas de formação profissional tenham cada vez mais a experiência de estagiar e aprender no estrangeiro, é-nos referido que, "para além da gestão do programa, uma das atividades fulcrais da agência passa pela divulgação e disseminação das oportunidades oferecidas pelo Erasmus+". Este trabalho é feito junto das instituições de educação e formação, dos alunos e formandos, dos profissionais da educação e formação, empregadores e comunidades locais. Sensibilizam-se, deste modo, os potenciais participantes para os benefícios de uma experiência internacional, a vários níveis – na valorização curricular, no desenvolvimento pessoal e de competências várias, no incremento da empregabilidade e facilitação da integração no mercado de trabalho –, designadamente através de ações de divulgação específicas e apresentação de testemunhos de participantes que são os principais mensageiros dos resultados positivos do programa.

"O Roteiro Erasmus+ Jovens Educação e Formação é uma destas ações que criámos para chegar aos mais jovens", conta Ana Cristina Perdigão, explicando tratar-se de um projeto de "divulgação e partilha que consiste na promoção de um evento que não só presta informação sobre as oportunidades do programa como fomenta a partilha de experiências entre aqueles que já participaram e todos aqueles que gostariam de participar". "Este é um projeto que teve início em Bragança, mas que pretendemos que se estenda a várias localidades portuguesas", confessa a diretora da ANE+EF.

Formação Profissional