Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
3
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Muito para ver e viver

Tirando partido do rio Mira e de tudo que tem para dar, são várias as atividades que Odemira oferece a quem o visita. Mas há muito mais a fazer no concelho. Venha daí…
24 de Julho de 2021 às 09:14

Em Odemira, há muito para visitar e experiências para viver e o turismo náutico é, seguramente, uma das opções a ter em mente. A Estação Náutica de Odemira está certificada desde abril de 2021 e integra a rede de Estações Náuticas de Portugal. Atualmente, abrange três polos no curso do rio Mira – Polo Náutico de Vila Nova de Milfontes, Polo Náutico de Odemira e Polo Náutico da Albufeira de Santa Clara – e constitui uma rede de oferta turística náutica e complementar de qualidade, organizada a partir da valorização dos recursos náuticos existentes no território. Certificada pelo Fórum Oceano – Associação da Economia do Mar, a Estação Náutica organiza, divulga e disponibiliza aos seus visitantes e munícipes uma oferta integrada e diversificada de atividades náuticas e de outros eventos e experiências complementares, de alojamento, restauração, animação e serviços.

Ao mesmo tempo, existe também a preocupação de garantir a sustentabilidade económica, social e ambiental do território. Com estruturas de acolhimento ao visitante nos Postos de Turismo de Vila Nova de Milfontes, de Odemira e de Santa Clara-a-Velha, a Estação Náutica de Odemira tem vários parceiros que trabalham em prol de uma boa experiência a quem a visita.

Canoagem e stand up paddle no rio Mira

Assegurando um bom nível de preservação, por ser um dos rios menos poluídos da Europa, o Mira acolhe os amantes da prática de canoagem e stand up paddle, tanto na barragem de Santa Clara como em Odemira e em Vila Nova de Milfontes. Registe-se que o vale do rio está integrado na área do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. A zona ribeirinha constitui um habitat natural com variedade de fauna e flora. A foz é importante zona de maternidade de várias espécies de peixes e de paragem para aves migratórias.

Vila Nova de Milfontes, a eterna princesa do Mira, está muito associada ao próprio rio. Ponto de entrada pelo território adentro, a foz do Mira e as suas populações conheceram tempos antigos de agitação e pilhagem, levando à construção do Forte de S. Clemente, no séc. XVII para defesa e proteção, hoje conhecido como Castelo de Milfontes.

Na vila, não deixe de visitar o núcleo antigo que conta um interessante conjunto arquitetónico, de ruas e ruelas, a Praça da Barbacã, o Cais da Fateixa, o passadiço do rio e a avenida ao longo da praia até ao farol.

Pôr do sol na praia

Dizem que o pôr do sol na praia da Zambujeira do Mar é o mais bonito do mundo! O muro junto à falésia, os miradouros para o mar e a praia enchem-se à hora das gaivotas para completar este espetáculo diário, gratuito e sempre mágico.

Destino naturalmente seguro

Situado na Costa Alentejana, o concelho de Odemira define-se pela sua diversidade natural e riqueza cultural, num território único, que se estende entre a planície, a serra e o mar.

No maior concelho em área do País, com 1.720 km2, há muito para visitar e experiências para viver do rio Mira à albufeira de Santa Clara ou até nos portinhos de pesca artesanal.

E ao longo dos seus 50 km de costa atlântica, Odemira oferece ao turista qualidade excecional nas praias, numa paisagem única, de natureza em estado puro, em pleno Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, numa das zonas costeiras mais bem preservadas da Europa. Na costa odemirense, até as cegonhas fazem os seus ninhos nas falésias, sendo o único local do mundo onde acontece este fenómeno junto ao mar.

Na costa, destaque também para o imponente cabo Sardão e o seu centenário farol, no ponto mais ocidental da Costa Alentejana, onde as falésias e o Atlântico medem forças. Visita obrigatória aos quatro portinhos de pesca artesanal (Portinho do Canal, Lapa de Pombas, Entrada da Barca e Azenha do Mar), onde dezenas de homens se fazem ao mar, em pequenas embarcações, para pescar o melhor destas águas, do sargo ao robalo, das navalheiras ao polvo.

Este é um destino naturalmente seguro num Alentejo singular, pelo que o melhor é partir à descoberta!