Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Saber formar também é saber cuidar

A larga oferta formativa do centro de formação da Aldeia de Santa Isabel, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, deu o mote para mais uma edição da Feira das Profissões, que hoje arranca.
17 de Junho de 2021 às 08:47
A formação estende-se pelos vários e diferenciados espaços da Aldeia de Santa Isabel
A formação estende-se pelos vários e diferenciados espaços da Aldeia de Santa Isabel
A formação estende-se pelos vários e diferenciados espaços da Aldeia de Santa Isabel

A variedade da oferta formativa, a metodologia de aprendizagem diferenciada e o acompanhamento dado a jovens em risco de exclusão do sistema de ensino são algumas das características que conferem um caráter único ao Centro de Formação Profissional da Aldeia de Santa Isabel, espaço da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), onde hoje arranca mais uma edição da Feira das Profissões. O diretor da instituição, António Amaro, explicou as mais-valias do projeto.

A quem se destina o Centro de formação da Aldeia de Santa Isabel?

Jovens e jovens adultos dos 15 aos 24 anos, de ambos os sexos, que abandonaram o sistema regular de ensino, em especial dos que não trabalham, não estudam e não se encontram em formação.

Como chegam até vós?

São jovens com percursos de abandono e insucesso escolar, de recusa do ensino regular, com muitos problemas de aprendizagem e comportamentos desviantes de variada ordem. Além do mais demonstram desinteresse por tudo o que é teórico. Chegam através das escolas, dos serviços da SCML e em grande parte por via espontânea. Há uma parte que é encaminhada por serviços de ação social externos. Oferecemos-lhes um tipo de ensino-aprendizagem o mais "desescolarizado" que é possível. Este compromisso da Aldeia com os jovens mais desfavorecidos, que é o compromisso da sua Casa Mãe – a SCML – visa responder à diversidade das necessidades dos jovens, adequando os processos de educação e formação às características e condições individuais de cada um, mobilizando todos os meios multidisciplinares de que dispõe ao nível da diversificação curricular e afastando qualquer categorização para intervir.

A componente prática é grande? Em que moldes é feita?

A componente prática é o ‘core’ do nosso centro e contrariamente ao ensino teórico é a dimensão mais apreciada pelos jovens. É na oficina que os jovens se sentem mais realizados e onde tendem a estabilizar emocionalmente. Por outro lado, e não menos importante, aplicam as aprendizagens em todo o espaço do eco campus da Aldeia, quer ao nível do apoio à manutenção das edificações várias, dos espaços verdes, quer ao nível das residências de idosos ou do centro de acolhimento de crianças e jovens, quer ainda e fundamentalmente, ao nível dos estágios em empresas no âmbito das parcerias existentes.

As taxas de sucesso escolar e de empregabilidade são altas?

Cerca de dois terços concluem com sucesso uma dupla certificação, escolar e profissional, de Nível I, II e IV. Cerca de metade ficam logo empregados. Outros levam mais tempo, mas temos casos de antigos formandos que se tornaram pequenos empresários de sucesso ao nível nacional e até internacional.

Mais de 30 anos de experiência a formar jovens

O Centro de Formação Profissional da Aldeia de Santa Isabel tem mais de três décadas de história na educação e formação de jovens em risco. Localizada em Albarraque (Sintra), a aldeia alberga ainda uma residência para a terceira idade e um lar-abrigo para menores. "O espaço físico de formação tem cerca de seus hectares. É um autêntico ‘ecocampus’ de aprendizagem.

A metodologia baseia-se na interdisciplinaridade de saberes, constitui-se como modelo e prática que permite recuperar o sentido dos problemas reais e das atividades concretas para incrementar a capacidade motivacional, em especial dos alunos "problemáticos" e com dificuldades de aprendizagem", conta António Amaro. Uma escola diferente dos modelos tradicionais.

"A forte rejeição dos conteúdos escolares por parte destes jovens só pode ser ultrapassada com a sua interligação aos conteúdos práticos ministrados nas diferentes oficinas. Ninguém ignora que a aprendizagem de uma profissão convoca também a necessidade de múltiplas aprendizagens no domínio escolar, como o domínio da Matemática ou do Português, sem as quais não será possível um adequado desempenho da atividade profissional. Neste quadro, a convergência de saberes faz-se nos programas de cada disciplina. Esta articulação não pode ser confundida com simultaneidade: implica uma planificação coerente e flexível e um contacto permanente entre professores e formadores oficinais, através da partilha dos diferentes espaços de aprendizagem, sejam salas de aula, oficinas ou espaços exteriores, onde é possível simular e aplicar conhecimentos".

Os formandos são permanentemente acompanhados por uma equipa de psicólogos, assistentes sociais e educadores. A formação é feita com base no modelo de pares pedagógicos e os cursos integram também a disciplina de Desenvolvimento Pessoal e Social e, alguns deles, incluem formação artística.