Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Comerciantes anseiam pelo novo espaço

Os comerciantes do atual mercado municipal admitem que, ao longo dos anos, os clientes têm vindo a diminuir e os negócios saíram prejudicados. Aplaudem o projeto apresentado e esperam poder integrar, com a maior brevidade, o novo mercado municipal de Viana do Castelo.
19 de Fevereiro de 2021 às 10:26

A garrafeira Adriano do Paço integra o atual mercado municipal desde 13 de junho de 2018. "Vim para aqui devido a circunstâncias da empresa que representava. Hoje em dia, estou aqui, mas com perspetivas de poder passar para o novo mercado municipal, que bem-haja. Tive a oportunidade de ver o projeto, revi muitas vezes, achei-o interessante, bonito, penso que proporciona a Viana do Castelo um mercado como a cidade merece", admite Adriano Paço. "Vamos tentar reconstruir e revitalizar o mercado no centro da cidade, também para dar uma nova vida ao centro histórico", frisa.

Uma figura carismática do mercado vianense, por ser comerciante naquela valência desde os seus 12 anos de idade, é Josefa Mendes. Passou pelos diferentes espaços do mercado municipal e, embora reconheça que já não tem expectativas de poder trabalhar no espaço projetado para a localização do Edifício Jardim, espera que a filha lhe siga as pisadas e assuma o negócio, com a peixaria ou outro espaço.

"Gostei muito do projeto, está muito bonito. Espero que seja uma boa ajuda para os comerciantes, porque o atual espaço não atrai ninguém. Espero que façam um mercado em condições, adequado à nossa cidade, que é tão bonita", conta Josefa Mendes. Acredita que o novo mercado vai dar uma vida diferente à cidade. "Muita gente e até turistas entram aqui e dizem-nos que Viana merecia um mercado mais bonito e bem-apresentado", indica, lamentando que de 30 peixarias o mercado vianense conte agora com apenas uma, a sua loja.

Outra pessoa incontornável do mercado é o talhante "Lino", que integra o mercado municipal há meio século. Iniciou a profissão com apenas 14 anos de idade, diz que nem tem vontade de investir na sua atual loja, porque a escassez de clientes não o motiva. Espera, no entanto, poder ir para o novo mercado, deixando elogios ao projeto apresentado pela autarquia.

"Conto ir para o novo mercado. Estamos aqui neste espaço há quase 20 anos, a aguentar o touro pelos cornos. Por isso, espero que o nosso esforço seja levado em consideração", frisa Adelino Fernandes. "Acredito e espero que em 2023 o novo mercado esteja construído. Por aquilo que eu vi, é bonito, espero que a realidade corresponda, porque me parece um mercado como Viana do Castelo merece", assegura Adelino Fernandes, dizendo que o novo edifício "será uma mais-valia para a cidade e para quem quer escoar os seus produtos", esperando que os comerciantes consigam sustentabilidade para os seus negócios.