Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

Menos união entre Timor e Portugal preocupa defensor da autodeterminação timorense nos EUA

João Crisóstomo lembra que houve muito apoio da comunidade portuguesa nos Estados Unidos quanto à independência de Timor-Leste.
Lusa 29 de Agosto de 2021 às 09:54
Estudantes em Timor-Leste carregam bandeiras na comemoração do independência do país
Estudantes em Timor-Leste carregam bandeiras na comemoração do independência do país FOTO: REUTERS/Lirio Da Fonseca
A reduzida união entre Timor-Leste e Portugal, vinte e dois anos depois da independência completa de Timor-Leste, que teve muito apoio da comunidade portuguesa nos Estados Unidos da América, preocupa João Crisóstomo, um dos defensores da causa.

Atualmente, os pilares da independência timorense, que foram a Igreja Católica e a língua portuguesa, estão a perder força, considerou, em entrevista à agência Lusa em Nova Iorque, João Crisóstomo, líder do Movimento Luso-Americano para a Autodeterminação de Timor-Leste (LAMETA, na sigla em inglês).

"Estes dois pilares, estas duas colunas, da independência de Timor-Leste estão a fracassar. E tenho muito receio pelo futuro de Timor-Leste", disse João Crisóstomo à Lusa, receoso que dentro de 30 a 50 anos possa haver um "plebiscito que vai acabar com a língua portuguesa".

A igreja era o "refúgio" para milhares de timorenses, acrescentou João Crisóstomo, mas o idioma, em especial, significa que "não há mais essa coesão, não há mais nada a agarrar o povo timorense a Portugal".

"Com a Austrália de um lado e a Indonésia do outro", em Timor-Leste, "atualmente dão muito pouca importância à língua portuguesa", considerou o cofundador da construção da Escola São Francisco de Assis "Paz e Bem" nas montanhas de Liquiçá, em Timor-Leste.

Autor do livro LAMETA sobre as comunidades luso-americanas e colecionador de todas as memórias relacionadas, organizadas em pastas e dossiês, João Crisóstomo disse à Lusa que a comunidade portuguesa nos Estados Unidos da América era vibrante nas manifestações de apoio e na ajuda transmitida ao povo timorense alguns anos antes do referendo de 30 de agosto de 1999, que resultou na opção da autodeterminação relativamente à Indonésia.

O apoio da comunidade portuguesa radicada nos Estados Unidos passou por manifestações em frente à Organização das Nações Unidas (ONU), cartas ao Presidente norte-americano Bill Clinton, muito lóbi e envio de contentores com ajuda.

No início da narrativa, o impulsor do movimento começou por reconhecer o desconhecimento face à situação de Timor-Leste em 1996: a primeira vez que foi abordado por um colega com quem tinha trabalhado noutras causas, João Crisóstomo recusou firmemente ligar-se ao problema.

"A primeira coisa que eu disse foi não, porque não queria estar a envolver-me em lutas civis. Lamentava que Portugal tivesse deixado Angola, Moçambique e tudo mais no estado em que deixou e não me queria envolver nisso", explicou o ativista.

Foi contrariado pelo colega, que disse que o caso de Timor-Leste não era nenhuma guerra civil, mas uma invasão de um país estrangeiro, a Indonésia, a um antigo território português, uma ocupação que veio a durar mais de 20 anos.

E assim, uma causa que parecia fácil e direta ao início revelou-se mais complicada do que João Crisóstomo esperava: "era simples, mas difícil", disse à agência Lusa em Nova Iorque.

"Verifiquei que Timor-Leste era um caso esquecido, ignorado. Ninguém queria saber", lamentou o ativista que relatou muitos obstáculos para que os políticos, diplomatas e comunidade internacional realmente prestassem atenção à situação e tomassem ações significativas contra a ocupação pela Indonésia.

João Crisóstomo estava convencido que "a solução para Timor-Leste vai ter de ser feita através das Nações Unidas e através de um referendo", o único caminho para uma "independência completa".

"Isto foi em fevereiro de 1996. Eu comecei imediatamente a martelar" para defender a solução, relatou à Lusa.

O antigo mordomo de Jacqueline Kennedy Onassis começou a convidar as comunidades portuguesas a manifestar pela autodeterminação de Timor-Leste em frente às Nações Unidas. "E as pessoas vinham, ao princípio eram poucos, depois começavam a ser mais", até chegarem a ser centenas de portugueses nas avenidas de Nova Iorque.

Para o líder do movimento, as manifestações "eram uma maneira de sensibilizar os americanos, sem os antagonizar", sem desordem ou barulho ensurdecedor, mas com educação sobre o drama de Timor-Leste.

João Crisóstomo também sabia que o apoio político dos Estados Unidos à causa seria imprescindível e foi por isso que decidiu enviar uma carta com um abaixo-assinado de 1.267 pessoas ao Presidente Bill Clinton.

"O que é que eu fiz? Eu contactei tudo que era clube português, todas as escolas portuguesas dos Estados Unidos", disse o ativista, com o intuito de apresentar o problema de Timor-Leste e juntar assinaturas para fazer chegar ao Presidente norte-americano.

Depois de um mal-entendido, em que a Casa Branca respondeu sobre Tibete sem mencionar Timor-Leste, João Crisóstomo finalmente recebeu uma carta do próprio Bill Clinton, assinada a 21 de janeiro de 1997.

No documento, o Presidente norte-americano reconhecia a sua preocupação sobre o "assunto crítico" da "violação de direitos humanos em Timor-Leste" e dizia que os EUA iriam continuar "a pressionar a Indonésia para mostrar maior respeito pelas liberdades básicas", sublinhando "objetivos importantes de segurança na região".

Em conclusão, Bill Clinton escreveu: "aprecio ouvir a sua visão e a da LAMETA. Espero que partilhe a minha carta com aqueles que assinaram a petição".

O esforço da comunidade portuguesa para chegar ao referendo em Timor-Leste durou vários anos, garantiu João Crisóstomo, convencido de que a pressão feita nos Estados Unidos pela comunidade portuguesa teve influência no despertar da comunidade internacional e para a tomada de ações.

"A verdade é que quando ninguém acreditava ou ninguém queria [um referendo], foi para isso que nós, nas comunidades portuguesas, batalhámos sempre", sublinhou o responsável.

Logo depois da Consulta Popular, em 30 agosto de 1999, a comunidade luso-americana também se decidiu a enviar ajuda material para Timor-Leste, começando com um contentor "completamente cheio", segundo as palavras de João Crisóstomo, de mantimentos alimentares, roupas e outros materiais desde Newark, com ajuda das associações ou clubes culturais e recreativos portugueses.

"Nós andámos de porta em porta, íamos a toda a gente. E a verdade é que, a pouco e pouco, enchemos o contentor. Depois desse, foi o segundo, foi o terceiro e foi o quarto. Foram quatro contentores que saíram daqui dos Estados Unidos enviados para Timor-Leste", afirmou.

Foram também vários jantares de angariação de fundos para Timor-Leste e nas contas finais, as comunidades portuguesas dos EUA mandaram mais de 200 mil dólares de ajuda, que ficaram na responsabilidade do Comissário Nacional para o Apoio à Transição em Timor-Leste, padre Vítor Melícias, que distribuía os fundos de acordo com as necessidades.

João Crisóstomo não escondeu a surpresa negativa e o lamento por as comunidades portuguesas "terem sido esquecidas" nas primeiras celebrações da independência de Timor-Leste.

Ainda que tudo o que foi feito não era com a pretensão de ganhar fama ou qualquer reconhecimento, "foi de lamentar que se tivessem esquecido das comunidades portuguesas", acrescentou João Crisóstomo.

A comunidade luso-americana formava um bastião para a defesa da independência de Timor-Leste na viragem do século.

Num encontro com o antigo primeiro-ministro timorense Rui Maria Araújo, João Crisóstomo ficou convencido de transformar o seu dossiê pessoal com memórias das atividades de defesa da autodeterminação de Timor-Leste num livro sobre o movimento LAMETA.

O livro, com o subtítulo "O desconhecido contributo das comunidades luso-americanas para a Independência de Timor-Leste" foi impresso em 600 cópias, distribuídas pelas pessoas que fizeram parte do processo, nos Estados Unidos, em Timor-Leste, Portugal, mas não foi posto à venda, com a convicção do autor de que não se devia fazer dinheiro pelas causas que defendeu.

A antiga colónia portuguesa de Timor-Leste, que obteve independência em 28 de novembro de 1975, foi invadida pela Indonésia a 07 de dezembro do mesmo ano e declarada, no ano seguinte, uma província da Indonésia.

O período de luta pela autodeterminação foi marcado pela violência.

Em 30 de agosto de 1999, com ajuda e patrocínio da Organização das Nações Unidas, realizou-se o referendo de independência de Timor, com as opções de o território ter uma maior autonomia e ficar no estado unitário da Indonésia, ou de separar Timor da Indonésia.

A independência de Timor-Leste obteve a maioria absoluta no referendo, com quase 344,5 mil votantes ou cerca de 80% dos votos.

 

EYL // EL

Lusa/Fim

Timor-Leste EUA João Crisóstomo Indonésia diplomacia relações internacionais emigrantes Portugal
Ver comentários