Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

Tribunal Penal Internacional pede 2,7 milhões a extremista islâmico do Mali

Ahmad al Faqi al Mahdi foi responsável pela destruição de mausoléus em Timbuktu, em 2012.
Lusa 17 de Agosto de 2017 às 11:11
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi
Ahmad al Faqi al Mahdi

O Tribunal Penal Internacional declarou hoje o extremista islâmico maliano Ahmad al Faqi al Mahdi responsável por danos superiores a 2,7 milhões de euros pela destruição de mausoléus em Timbuktu, no norte do Mali, em 2012.

O Tribunal Penal Internacional determinou também a atribuição de compensações às vítimas dos ataques levados a cabo por Ahmad al Faqi al Mahdi.

"O tribunal ordenou indemnizações individuais, coletivas e simbólicas, reconhecendo que a destruição de edifícios protegidos atingiu os interesses das populações do Mali e da 'comunidade internacional' estimando-se que Mahdi causou danos da ordem dos 2,7 milhões de euros", disse o juiz Raul Cano Pangalangan na leitura da acusação, hoje em Haia.

Mahdi já tinha sido condenado em setembro a nove anos de prisão por ter dirigido intencionalmente os ataques contra a porta da mesquita Sidi Yahia assim como nove mausoléus da cidade, património mundial da humanidade da UNESCO.

Mesmo assim, se o extremista for incapaz de pagar o montante determinado, o tribunal considera que a eventual situação de "indigência" do réu não deve dificultar nas obras de reconstrução e restauro em curso.

Pelo contrário, a ordem do TPI deve encorajar os fundos que foram criados e que constituem um instrumento independente que gere as contribuições voluntárias, públicas e privadas, destinadas à reconstrução de propriedades individuais e públicas.

Nascido em 1975, Mahdi era membro do grupo extremistas Ansar Dine que controlou o norte do Mali durante dez meses, em 2012.

A organização criminosa foi desalojada após a intervenção militar internacional comandada pela França em 2013.

Ver comentários