Barra Cofina

Correio da Manhã

Comunicados de Imprensa
8

Ovos biológicos Campestre, 100% portugueses

Uma marca 100% nacional, no mercado desde 2002
9 de Fevereiro de 2018 às 18:37
A alimentação à base de produtos biológicos tem vindo a ganhar terreno junto do consumidor, que, cada vez mais, procura um estilo de vida saudável e sustentável. No que diz respeito aos ovos, o cenário não é diferente. Os ovos biológicos são, cada vez mais, uma opção à mesa dos Portugueses, já que, além das características nutritivas, promovem mais bem estar e qualidade de vida às galinhas, cujo método de produção tem que cumprir com regras legisladas e altamente fiscalizadas.

A tendência para consumir produtos biológicos é relativamente recente, tendo-se verificado um boom nos últimos anos. No entanto, os Ovos Biológicos Campestre já estão disponíveis no mercado desde 2002.
Os Ovos Biológicos Campestre são produzidos, classificados e embalados em Portugal, pela CAC - Companhia Avícola do Centro, S.A., uma empresa com capitais 100% nacionais, líder no setor, cujas granjas de Ovos Biológicos estão dispersas por todo o território português, e com fábricas de rações próprias, que garantem total qualidade e confiança.

O modo de produção biológica respeita a Natureza e os seus ciclos, promovendo a sustentabilidade dos ecossistemas e a biodiversidade. Nas granjas onde são postos os Ovos Biológicos Campestre, as galinhas vivem em plena harmonia com a Natureza, podendo andar livremente no exterior, com liberdade para expressar os seus comportamentos naturais. Os bandos são regularmente controlados por uma equipa de veterinários e a alimentação das galinhas tem que cumprir com requisitos regulamentados, que obriga a utilização de cereais naturais e 100% biológicos. Por outro lado, além da área exterior para acesso diário das galinhas, também é obrigatório terem à disposição uma área coberta, onde estão os ninhos e poleiros, cumprindo com o regulamento em vigor (Regulamento n.º 2092/91 de 24 de junho de 1991, alterado pelo Regulamento n.º 1804/1999 de 19 de julho de 1999).
Ver comentários