Barra Cofina

Correio da Manhã

Coronavírus

ECDC não recomenda restrições às viagens mas quer medidas para não vacinados na UE

Vários países europeus reintroduziram medidas restritivas, principalmente para não vacinados, com a obrigação de apresentação de passe sanitário.
Lusa 20 de Novembro de 2021 às 10:38
Aeroporto Lisboa Covid-19
Aeroporto Lisboa Covid-19
O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) rejeita a reintrodução de restrições às viagens na União Europeia (UE) como forma de conter o ressurgimento de casos de covid-19, apoiando antes medidas direcionadas para não vacinados.

"É pouco provável que as restrições às viagens tenham um impacto importante a longo prazo no calendário ou em intensidade em comparação com a rigorosa implementação local das intervenções não-farmacêuticas [medidas restritivas], particularmente tendo em conta o domínio da variante Delta em todos os países da UE/EEE [União Europeia e Espaço Económico Europeu]", declara o responsável pelo departamento de doenças contagiosas e epidemias do ECDC, Ole Heuer, em entrevista por escrito à agência Lusa, em Bruxelas.

Para Ole Heuer, "as restrições às viagens seriam importantes se implementadas muito cedo, de forma consistente e completa, e se houvesse provas de circulação de uma nova variante da SARS-CoV-2, particularmente de uma variante de fuga imunitária, para atrasar a sua introdução".

Ainda assim, "durante as viagens, as medidas de proteção devem ser mantidas, independentemente do estatuto de vacinação do viajante", argumenta o especialista, exortando que "se utilizem máscaras faciais, se evitem os ajuntamentos e se mantenha a distância física, bem como se aposte numa melhor ventilação nas estações e nos modos de transporte como aviões, comboios, autocarros".

A UE enfrenta atualmente um elevado ressurgimento das infeções por SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, com os internamentos, as entradas nos cuidados intensivos e o número de mortes também a aumentar, situação causada pela dominância da variante Delta (mais contagiosa) e pela descida das temperaturas, mais propícia a doenças respiratórias.

Por estes dias, e também a pensar na época de festividades de fim de ano, vários países europeus reintroduzem medidas restritivas, principalmente para não vacinados, com a obrigação de apresentação de passe sanitário (comprovativo de vacinação ou teste) para acesso a determinados locais públicos, como a Alemanha ou Bélgica.

Já a Áustria, que começou por confinar os não vacinados, estendeu agora o confinamento a todos e tornou a vacinação obrigatória no país, sendo o primeiro país europeu a fazê-lo.

Questionado sobre estas medidas restritivas mais direcionadas para pessoas que optaram por não se vacinar, Ole Heuer afirma que "alcançar camadas de indivíduos não vacinados é vital para aumentar a cobertura vacinal e a proteção contra doenças graves, internamentos e mortes".

Porém, "não existe uma abordagem única para aumentar a vacinação nas diversas populações", já que se trata de "uma questão complexa e com razões subjacentes a uma menor utilização a variar consideravelmente entre países e dentro de cada país", ressalva o especialista.

Ole Heuer lembra, ainda, que "diferentes países relataram [ao ECDC] ter adotado uma série de estratégias para chegar aos indivíduos e grupos populacionais com baixo nível de vacinação", tentando "adaptar as diferentes medidas com base nos fatores responsáveis por essa baixa adesão, tais como [...] a desinformação, a desconfiança ou a falta de informação clara".

Por essa razão, "algumas destas estratégias incluíram equipas ou clínicas de vacinação móveis, estratégias de comunicação direcionadas e iniciativas de sensibilização", exemplifica o especialista, falando ainda na introdução de incentivos à vacinação e na vacinação obrigatória de trabalhadores da saúde.

Criado em 2005, o ECDC é uma agência europeia de aconselhamento aos países para reforço da capacidade de defesa da Europa contra as doenças infecciosas.

Ver comentários