Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Milhares de pessoas manifestaram-se em Washington contra "holocausto das vacinas"

Manifestantes reuniram-se na capital dos EUA com cartazes contra a obrigatoriedade de vacinação Covid-19.
24 de Janeiro de 2022 às 16:00
Milhares de pessoas manifestaram-se em Washington contra a obrigatoriedade da vacinação Covid-19
Manifestantes tinham vários cartazes
'O meu corpo, a minha escolha' era uma das mensagens
Milhares de pessoas manifestaram-se em Washington contra a obrigatoriedade da vacinação Covid-19
Manifestantes tinham vários cartazes
'O meu corpo, a minha escolha' era uma das mensagens
Milhares de pessoas manifestaram-se em Washington contra a obrigatoriedade da vacinação Covid-19
Manifestantes tinham vários cartazes
'O meu corpo, a minha escolha' era uma das mensagens

Milhares de pessoas manifestaram-se, na manhã desta segunda-feira, em Washington, nos EUA, contra a obrigatoriedade da vacinação Covid-19.

Apesar das temperaturas quase negativas, os organizadores estimam que 20 mil pessoas se tenham reunido junto ao Memorial Lincoln, a maioria sem máscara, para protestar contra o que consideram ser a "tirania" das vacinas, segundo o jornal The Washington Post.

"O meu corpo, a minha escolha", "Defenda o distanciamento social com aqueles que o obrigam a vacinar-se", ou "Vamos parar o holocausto das vacinas" foram algumas das frases escritas em cartazes empunhados por manifestantes.

"Que história quer contar aos seus netos? Que foi um dos que lutou pela liberdade, ou um daqueles que baixou a cabeça?", perguntou o comediante JP Sears durante os protestos.

Vários médicos, vestidos com batas brancas, defenderam conceitos como "autonomia de decisão" ou "imunidade natural".

Miriam Anderson, uma manifestante, revelou que passou a ser contra as vacinas depois de uma "terrível reação adversa" após a toma da primeira dose da imunização.

Segundo pesquisas americanas, um em cada cinco adultos não foi vacinado nos EUA. Os investigadores revelam ainda que menos de 20% das crianças, entre os cinco e 11 anos, elegíveis para vacinação desde novembro, estão vacinadas. 

Washington impôs a obrigatoriedade de vacinação contra a Covid-19 e passou a ser necessário a apresentação de prova de imunização para entrar em bares e restaurantes.

Washington EUA Covid-19 saúde política distúrbios guerras e conflitos manifestação
Ver comentários