Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

250 pessoas já visitaram o Museu do Holocausto no Porto

Primeiro espaço da Península Ibérica dedicado à temática abriu esta segunda-feira.
Miguel Azevedo 6 de Abril de 2021 às 08:18
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Visitantes na inauguração do Museu do Holocausto no Porto
Um total de 250 pessoas passaram esta segunda-feira, pelo Museu do Holocausto, na cidade do Porto, naquele que foi o primeiro dia de abertura ao público do primeiro espaço do género na Península Ibérica.

“Foi um número que superou em muito as nossas expectativas”, começa por dizer ao CM Hugo Vaz, curador do museu, que justifica a afluência acima do esperado não só pelo desconfinamento em curso (“as pessoas estão sedentas de cultura”) , mas sobretudo pela natureza do espaço. “Trata-se de uma novidade e há muita curiosidade sobre este tema”, diz.

O interesse em torno do novo museu acabou mesmo por gerar algumas filas à entrada do espaço, que apenas pode receber 25 pessoas em simultâneo. Sobre as reações, Hugo Vaz diz que os visitantes acabam por sair impressionados principalmente porque “desconhecem a relação do tema com a cidade do Porto e de que por ela passaram muitos e muitos judeus”. Impactante, diz aquele responsável, são também “as duas paredes de fichas individuais com os nomes e origens das vitimas”.

Num espaço de 500 metros quadrados, o museu conta com a reprodução dos dormitórios de Auschwitz, corredores com a narrativa completa e fotografias e ecrãs com filmes reais sobre o antes, durante e depois da tragédia. Situa-se na Sinagoga Kadoorie Mekor Haim e tem entrada gratuita até junho.

Museus e monumentos grátis este mês
Desde segunda-feira que museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares têm autorização para voltar a abrir portas, segundo o plano de desconfinamento traçado pelo Governo.

Em Lisboa os museus e monumentos municipais sob a tutela da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) têm entrada gratuita até ao final deste mês. Entre eles, estão o Castelo de São Jorge, o Padrão dos Descobrimentos, o Atelier Museu-Júlio Pomar, o Museu do Fado ou a Casa Fernando Pessoa.
Ver comentários