Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
3

Apanhada na rede

Sandi Thom, uma jovem britânica de 24 anos, acaba de concretizar o seu sonho de vida: um contrato discográfico. E logo com uma das mais fortes companhias discográficas do Mundo, no caso a RCA, ligada ao colosso Sony/BMG. O contrato foi rubricado segunda-feira em directo na internet.
5 de Abril de 2006 às 00:00
A rede global é a grande responsável pelo repentino êxito de Sandi Thom. Na verdade, a jovem há muito que tentava conquistar um lugar no mundo da música, mas nunca o conseguira. Até ao dia em que ligou uma ‘webcam’ (câmara ligada à internet) na sua cave em Tooting (Sul de Londres), e começou a actuar para quem estivesse na rede. Ao primeiro ‘espectáculo’ compareceram apenas 70 espectadores, mas ao longo das ‘Twenty One Nights From Tooting’ (‘Vinte e uma noites desde Tooting’, em tradução livre) a assistência foi aumentando e chegou a atingir as 120 mil pessoas.
Foi o quanto bastou para pôr as editoras discográficas numa roda-viva. É que o exemplo dos Artic Monkeys ainda está bem fresco na memória. A sorte acabou por sorrir à RCA, cujo director não podia estar mais encantado: “Sandi é uma artista talentosa e tem uma história única. Estamos muito excitados por irmos agora fazer parte da sua história enquanto artista”, disse.
Em declarações à TV britânica, Sandi confessou que não acredita ainda no que lhe aconteceu e que a sua vida “mudou radicalmente” depois de ter-se ligado à internet.
“Sonhávamos tocar no Estádio de Wembley, para milhares e milhares de pessoas. Isto é completamente surreal, porque, de facto, já o fizémos, só que não as víamos”, afirmou.
Escocesa de nascimento, Sandi cedo despertou para a música. Toca piano e guitarra, passou por bandas de versões, foi a vocalista e teclista dos The Residents, frequentou o Institute of Performing Arts de Paul McCartney, em Liverpool, integrou um coro gospel e chegou a cantar o ‘hino’ do Liverpool (‘You’ll Never Walk Alone’) para mais de 40 mil pessoas no Estádio Anfield Road. Ainda assim, o sonho continuava adiado e, entre muitas ‘demos’ enviadas às editoras, Sandi deu voz a um anúncio de perfume.
Em 2005 editou o EP ‘I Wish I Was a Punk Rocker’, que lhe valeu comparações com o tema ‘Mercedes Benz’, de Janis Joplin. O disco integra ainda uma versão de ‘Something In The Air’ (Thunderclap Newman) e uma leitura jazz de ‘No More Hero’s’, dos Stranglers.
Verdadeiro talento à solta, Sandi, que entretanto tem pronto um álbum a que deu o título de ‘Smiles It Confuses People’, tem percorrido o Reino Unido dando concertos, a solo ou com grupos como The Proclaimers ou Nizlopi, participa em festivais de artes e, em Março, foi mesmo convidada para tocar para o casal Tony e Cherie Blair e para o príncipe André.
No seu ‘site’, pode ler-se que o seu disco de estreia sai este mês e será antecedido do single ‘What if i’m Right’. Garante quem já ouviu que Sandi é como um cruzamento de Lloyd Cole e Kirstie McCall, no campo lírico, e possui uma voz a lembrar Christina Aguilera.l
Ver comentários