Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias

Psicóloga analisa o estado atual da cultura ocidental no seu novo livro ‘Sonhos Públicos’.
Pedro Rodrigues Santos 19 de Abril de 2018 às 01:30
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
Atualidade ‘filmada’ por Joana Amaral Dias
O cinema como reflexo dos nossos tempos é o elemento fulcral de ‘Sonhos Públicos – O Imaginário Colectivo em 100 filmes do Século XXI’, a obra mais recente de Joana Amaral Dias.

Apresentado esta quarta-feira ao público, a psicóloga e cronista do Correio da Manhã e comentadora da CMTV propõe-se analisar temas de sempre como o amor, a morte e a violência, sem ignorar questões tão específicas como o consumismo, o poder dos media ou a cultura da celebridade, através de uma centena de filmes.

"Analiso em ‘Sonhos Públicos’ a nossa contemporaneidade através dos principais filmes realizados neste século, como se fosse a projeção da nossa imaginação", explica ao CM Joana Amaral Dias. E exemplifica essa ideia com trabalhos como ‘Inteligência Artificial’, ‘O Estranho Caso de Benjamin Button’, ou ‘Kill Bill’.

"O livro ‘relê’ esses filmes sob uma perspetiva que vai desde a psicologia à política, passando pela filosofia e outras disciplinas complementares, para perceber o que eles representam para a cultura moderna."

Octávio Ribeiro, diretor-geral do Correio da Manhã e da CMTV, que esteve presente na apresentação de ‘Sonhos Públicos’, elogia o trabalho da autora. "Não é só um livro sobre cinema mas também sobre a nossa cultura ocidental", destaca. "Joana Amaral Dias usa a alegoria que esses filmes representam para abordar as profundezas do ser humano".

Um padrão que se mantém quase inalterado na história da humanidade.
Ver comentários