Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Baptista-Bastos, o homem que sabia onde estava no 25 de abril

Jornalista, escritor e romancista morreu esta terça-feira, aos 83 anos.
9 de Maio de 2017 às 18:57
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos
Baptista-Bastos nasceu a 27 de fevereiro de 1934 no bairro da Ajuda, em Lisboa. Foi romancista, escritor e jornalista. O cronista do Correio da Manhã morreu esta terça-feira, aos 83 anos. 

Estudou na escola António Arroyo e no Liceu Francês. O seu percurso profissional iniciou-se no jornal O Século, tendo passado também pelo O Século Ilustrado – onde foi subchefe de redação - República, Europeu e o Diário e ainda às revistas Cartaz, Almanaque, Seara Nova e Sábado. Foi também correspondente da agência de notícias France Presse em Lisboa e trabalhou na RTP sob o pseudónimo Manuel Trindade.

Celebrizou-se com uma série de entrevistas a personalidades sobre o 25 de abril, emitidas de 1996 a 1998 na SIC. Nessas "Conversas Secretas", assim se initutulava o programa, perguntava a cada convidado "Onde é que você estava no 25 de Abril?". A frase marcou a época e é ainda hoje recordada.

Baptista-Bastos publicou mais de uma dezena de títulos de ficção, entre os quais "O Secreto Adeus" (1963), "Cão Velho entre Flores" (1974), "O Cavalo a Tinta da China" (1995), "A Colina de Cristal" (2000) e "No Interior da Tua Ausência" (2002).

Em 1987 venceu o prémio literário do Município de Lisboa, pela obra A Colina de Cristal. No mesmo ano e pela mesma obra venceu o Prémio P.E.N. Clube Português de Ficção.

Recebeu o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários em 2002 com o romance No interior da tua ausência. Em 2006, foi agraciado com o Prémio de Crónica João Carreira Bom e o Prémio Clube Literário do Porto.



Ver comentários