Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Feira Popular de Lisboa revela vestígios romanos

Escavações colocam a descoberto uma área de caráter habitacional daquela época.
Miguel Azevedo e Lusa 2 de Abril de 2021 às 10:04
Os terrenos da antiga Feira Popular, em Entrecampos, Lisboa, estão a ser intervencionados desde 2019
Os terrenos da antiga Feira Popular, em Entrecampos, Lisboa, estão a ser intervencionados desde 2019 FOTO: Direitos Reservados
Um conjunto de realidades arqueológicas de cronologias variadas, inclusive do período romano, mas também materiais atribuíveis à pré-história recente da viragem do 4º para o 3º milénio a.C., têm sido encontrados nos terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa, na zona de Entrecampos.

Atualmente está em execução uma escavação para caraterizar e registar os achados, mas a empresa proprietária do terreno (Fidelidade) já fez saber que, neste momento, são visíveis "estruturas de cronologia contemporânea" (século XIX) e estruturas em alvenaria de pedra, bem como um conjunto de fossas, escavadas no sedimento argiloso do período moderno (séc. XVII/XVIII). Sob estas realidades, e já muito afetadas por estas ocupações mais recentes, observam-se ainda alguns pisos e restos de muros de cronologia romana. A Direção-Geral do Património (DGPC) já explicou que há trabalhos arqueológicos a decorrer naquela área desde finais de 2019 e que está documentada a presença de uma área de caráter habitacional da época romana. Disseminados por todo o terreno são também observáveis materiais atribuíveis à pré-história recente (neolítico final-calcolítico).

PORMENORES
Primeiras conclusões
O caráter preliminar dos trabalhos ainda não permitiu detalhar informações sobre datação ou funcionalidades das área de caráter habitacional descobertas da época romana, sendo que a DGPC diz que "não se confirmou, até ao presente, a existência de uma necrópole romana".

Escritórios e habitação
Os terrenos da antiga Feira Popular foram comprados pela Fidelidade Property à Câmara Municipal de Lisboa pelo valor de 238,5 milhões de euros. Ali vão nascer mais 279 habitações e escritórios. Também nascerá a nova sede da Fidelidade.
Ver comentários